// você está lendo...

Cartinha do Emanuel

Beleza e crueldade

Kafka

A caminho do túmulo de Kafka. Foto: Célia de Souza

Franz Kafka (1883-1924) é autor seminal, premonitório, “possuído”, que vivendo apenas 41 anos pareceu profetizar tudo, e é autor fundamental para entender a modernidade.

Não queria falar hoje em Paris, Londres, Amsterdã, Berlim, Lisboa, cidades que já conhecia, mas gostaria de meditar sobre uma visita à Praga, cidade belíssima, onde nasceu o grande autor.

Mais precisamente: uma visita ao antigo cemitério judeu de Praga para conhecer o túmulo de Kafka.

Quero escrever com mais profundidade.

Mas não resisti.

Remeto agora um reflexão modesta.

Fui ao cemitério, depois de uma visita a um campo de concentração (Sachsenhause), nos arredores de Berlim.

Como verbalizar? Dizer que foi impactante? Que parece inacreditável? Falar da brutalidade extrema?

É pouco, amigo. Sim, é muito pouco.

E como imaginar que uma cultura que gerou Mozart, Beethoven, Haydn, Hegel, Kant, Thomas Mann, Heine, Goethe, Schiller e tantos outros grandes humanistas, pode ter gerado a monstruosidade do nazismo?

Como?

E saindo do campo – pensando no sofrimento de tantos seres humanos, de tantos pés que ali pisaram-, escutei o canto de um pássaro.

Dias depois, em Viena, assisti a um concerto em que era “tocado” Mozart, e havia um maravilhoso violino.

Como entender? Beleza e crueldade?

Não sei.

(Revisitei também a bela Bruges, conheci Dresden, cidade barroca alemã completamente destruída na Segunda Guerra Mundial.)

Falar da imensa crueldade do homem contra o próprio homem?

Só nos resta lutar diariamente pelo Humano.

Tentar aumentar a taxa de dignidade humana num mundo consumista e extremamente violento – não deixar de estar vigilante. E acreditar. Acreditar sempre.

Hoje: 25 de abril de 2014: 40 anos da Revolução dos Cravos em Portugal.

Hoje: 25 de abril de 2014: dia da votaçãoda emenda das Diretas.
Perdemos: mas não queria estar ao lados dos que ganharam.

O que veio depois – tristeza e frustração – é outra história.

Como se dizia (perdoa o lugar-comum), a luta nunca termina.
Fraterno abraço do Emanuel Medeiros Vieira

(Brasília, 25 de abril de 2014)

Discussão

Comentários estão desativados para este post.

  1. Parabéns Emanuel
    Tens a firmeza de focar em pontos fracos da dimensão humana
    Associar Kafka, Nazismo, Ditadura e Estelionato político e econômico no Brasil faz com que o nosso ceticismo aumente com a raça humana
    Um abraço
    Sérgio

    Posted by Sérgio Zylbersztejn | abril 30, 2014, 08:49

Posts recentes

O fim de uma era
23 de maio de 2014, 17:27
Por Cesar Valente
E aí? Abandonou o blog?
6 de maio de 2014, 17:46
Por Cesar Valente
Brasília real aos 54 anos
28 de abril de 2014, 22:12
Por Cesar Valente
Beleza e crueldade
28 de abril de 2014, 22:01
Por Cesar Valente
A semana dos enigmas
17 de abril de 2014, 8:09
Por Cesar Valente

Arquivos