// você está lendo...

Caraminholas

A delicada arte da tolerância

Circulava ontem na internet uma carta recheada de ódio, que teria sido escrita por alguns brusquenses, incomodados com os “imigrantes” que estão chegando aos montes, atraídos por empresas que precisam de mão-de-obra e não a encontram na população local. O fenômeno (do ódio aos “imigrantes”) não é exclusivo de Brusque. Nem é novo.

Ao que parece, desde que o homem é homem e se multiplicou a ponto de formar mais de um grupo, que essas brigas existem. Naquela época, não se conversava muito nem se mandava cartas (não existiam ainda a escrita e o papel), pegava-se um instrumento qualquer e esmagavam-se quantas cabeças fossem necessárias.

Hoje ainda existe muita gente com cérebro de troglodita que gosta de resolver as coisas dessa forma: quebra tudo, arrebenta a cara de uns tantos e estamos conversados.

Esse povo, de inteligência escassa, cultura pouca e apegado fanaticamente a alguma crendice primitiva, continua achando que tudo que é diferente é nocivo, ruim, ameaçador e deve ser combatido.

Como tem troglodita em todas as tribos, acabaram inventando as guerras, que é quando os dois lados acham que precisam exterminar seus diferentes.

Como já vivi bastante, também já vi muita coisa. Já vi gente implicar com a cor do outro (isso é especialmente comum aqui no litoral, com o pessoal de origem açoriana), já vi gente implicar com o sotaque do outro. Já vi gente implicar com a preferência sexual do outro. Já vi gente implicar com o local de nascimento, com a língua, com a profissão, com o jeito de se vestir…

O que não falta é motivo para que esse pessoal sem noção ache que tem que afastar os diferentes. Mas fazem muita falta (e até há quem diga que estão extintos) aqueles poucos, mais ilustrados, que sabiam exercer a milenar e maneirosa arte da tolerância. Trata-se de uma arte que pode ser praticada em qualquer lugar: no condomínio, no trabalho, na escola, na rua… só que cada vez menos gente sabe como. Mas ouvi dizer que a tolerância é coisa muito linda.

Discussão

Comentários estão desativados para este post.

  1. Uncle Cesar,

    Oferecer a outra face é lindo (frase pronta). E também ouvi dizer que a tolerância é linda, mas tirar qualquer um da zona de conforto com usos e costumes questionáveis é perigoso mesmo. Que tal sermos tolerantes com os nossos políticos também? Não é a mesma coisa? É claro que a situação chegou a um extremo perigoso, mas toda ação gera uma reação (frase pronta, outra vez). Ou seja, isso já era esperado. E não preciso de uma bola de cristal para dizer que Brusque não será a única. Virão outros atentados. O mundo ainda precisa dos trogloditas, porque é na porrada que ainda aprendemos, infelizmente. Ainda é um mal necessário.

    Posted by Ricardo | novembro 7, 2013, 12:26

Posts recentes

O fim de uma era
23 de maio de 2014, 17:27
Por Cesar Valente
E aí? Abandonou o blog?
6 de maio de 2014, 17:46
Por Cesar Valente
Brasília real aos 54 anos
28 de abril de 2014, 22:12
Por Cesar Valente
Beleza e crueldade
28 de abril de 2014, 22:01
Por Cesar Valente
A semana dos enigmas
17 de abril de 2014, 8:09
Por Cesar Valente

Arquivos