// você está lendo...

Fala leitor

Correio elegante… (atualizado)

[Atualizado no sábado 5]

Ler o Diário Oficial é uma aventura que não cansa de nos surpreender. Primeiro, com o que podemos encontrar escrito ali. Foi o que ocorreu com o leitor que mandou o relato abaixo. Leu o registro de uma doação de dinheiro público e fez um comentário a respeito.

Depois, com o que a vida real reserva ao que está no DOE. Vejam esse caso aí. Pois não é que a Associação dos Servidores do Tribunal de Contas, que no Diário Oficial aparece ganhando uma graninha da Fesporte, no final não recebeu o dinheiro? Sim, depois de autorizada, a ajudinha foi brecada, a pretexto de algum senão na prestação de contas de uma ajuda anterior, há vários anos. Não levaram a grana, mas agora têm que aguentar a “flauta” da turma.

Viram que sempre tem coisa interessante quando se trata de Fesporte, né? Ao que parece, na maioria dos casos, essas doações dos fundos sem fundo da SOL (a tal Secretaria Tríplice, do Esporte, Turismo e, lá no fim e bem longe, Cultura) são decididas mesmo é no gabinete do governador.

Foi o caso desse evento aí abaixo. Santa Catarina tinha interesse na participação da Associação dos funcionário do TCE, porque iriam tentar trazer, para o estado, as olimpíadas do ano que vem, coisa que atrai umas 3 mil pessoas. Aí acertaram que ajudariam com uma parte da grana, para que fosse uma delegação maior (de 20 pessoas). Na última hora, porém, depois de tudo acertado e mesmo com o aval do JR, o dinheiro não saiu. E o pessoal se virou e foi assim mesmo (uns 16). E, pra completar, a próxima olimpíada será no Rio Grande do Sul.

Ah, e o pessoal da Associação dos Servidores ficou meio chateado com o comentário, porque eles não foram só fazer turismo. Foram competir. E não fizeram feio, trouxeram medalhas e troféus. As despesas de transporte e alimentação de uma delegação somam um valor maior que aquele anunciado (e não cumprido) pelo governo, como estímulo a trazer o evento para o estado. E, além disso, a responsabilidade pela escolha de qual projeto será beneficiado é do governo, não de quem apresenta o projeto.

Portanto, se a gente for olhar de perto, uma simples notinha do Diário Oficial encerra histórias bem mais longas e complexas.

================================================

Mais uma mimosa cartinha de leitor indignado

Querido Tio Cesar:

A Fundação Catarinense de Esportes (Fesporte), ou seja, Governo do Estado, tão boazinha e preocupada que é com os esportistas catarinenses, deu R$ 20 mil para os pobrezinhos dos servidores do Tribunal de Contas do Estado participarem das IV Olimpíadas dos Tribunais de Contas do Mercosul. A informação está na página 38 no Diário Oficial do Estado nº 19.670 de sexta-feira (27).

A disputa esportiva ocorrerá na agradável cidade de Termas de Rio Hondo, na Argentina, um balneário termal cujas águas são recomendadas para quem sofre de pressão alta e reumatismo.

Com um agradinho desses até dá para ficar mais tranquilo na época de examinar prestações de contas e outros embaraços financeiros de entidades complicadinhas como, por exemplo, a Fesporte, hein?

Ops, lembrei agora: nem sempre nossos dirigentes esportivos são tão bonzinhos assim. No sábado saiu no Jornal do Almoço que umas meninas da ginástica de Florianópolis estão sem dinheiro para competir. Ajudar as ginastas não custaria nem R$ 10 mil. Enquanto isso, a turma do TCE levou R$ 20 mil para fazer turismo. Acho que temos aí um equívoco nas prioridades. Ou não?

Abraços, Zé das Couves

Discussão

Comentários estão desativados para este post.

  1. Não foram para os servidores do TCE, mas para menos de 20 participantes.
    Ressalta-se, ainda, que nem todos os servidores do TCE concordam com esse auxílio da Fesporte.

    Posted by anônimo | outubro 3, 2013, 16:35
  2. Há muitos atletas merecedores de recursos do Fundesporte, e que não chegam a eles exatamente por causa de desvios como este beneficiando grupo de uma instituição que nada tem a ver com o esporte catarinense. O mais grave é que, exatamente o beneficiado, amanhã precisará de isenção para examinar contas de quem libera – ou não – dinheiro do fundo. Exemplo: Tamiris de Liz, atleta joinvilense, disputou o mundial juvenil de atletismo um mês antes da sua participação na última Olimpíada sem receber os R$ 10.900 reais solicitados ao Fundo através de projeto encaminhado (e aprovado) ao Conselho Estadual de Esporte.

    Posted by Mario Medaglia | outubro 7, 2013, 08:18
  3. Houve a viagem, mas ninguém tem conhecimento de onde saiu o dinheiro, o que se sabe é que quem viajou não pagou..

    Posted by anonimo | outubro 9, 2013, 13:45

Posts recentes

O fim de uma era
23 de maio de 2014, 17:27
Por Cesar Valente
E aí? Abandonou o blog?
6 de maio de 2014, 17:46
Por Cesar Valente
Brasília real aos 54 anos
28 de abril de 2014, 22:12
Por Cesar Valente
Beleza e crueldade
28 de abril de 2014, 22:01
Por Cesar Valente
A semana dos enigmas
17 de abril de 2014, 8:09
Por Cesar Valente

Arquivos