// você está lendo...

Caraminholas

Resoluções de ano novo

Está um pouco tarde (afinal, hoje é dia 11, quase metade de janeiro), mas acabei de anotar, no caderninho das coisas que um dia farei, uma série de resoluções que pretendo levar à prática em 2013.

A primeira delas, provavelmente a mais importante, é tirar férias. Farei isso imediatamente, já em fevereiro, para preparar o corpo e o espírito para o novo ano, que começa, como sempre, em março.

Cada vez mais me convenço que o ser humano não nasceu para trabalhar. Nasceu para gozar a vida, apreciar as belezas colocadas ao nosso alcance e usufruir da maior riqueza que alguém pode ter, que é o ócio. O lazer. O dolce far niente. A preguiça criativa ou a velha, simples e nunca demasiadamente apreciada, preguiça propriamente dita.

Por isso, o melhor a fazer para se preparar para o novo ano, é tirar férias. Nas férias este blog, que continuará sendo atualizado todas as terças e quintas até o final de janeiro, também entrará em animação suspensa. Vai hibernar o sono dos justos, esperando o amanhecer de um novo dia, em março. Ou abril.

American Storytellers

American Storytellers*, do Andy Thomas.

Depois das férias, tratarei de ir atrás das demais resoluções. São várias e de natureza tão diversa que se eu as transcrevesse aqui, vocês parariam de suspeitar que sou meio maluco e passariam a ter convicção da minha total falta de senso.

Mas posso comentar uma ou outra sem correr esse risco. Por exemplo: durante boa parte da minha vida estudei o desenho gráfico de jornais e revistas que eram, naturalmente, impressos. Agora estou estudando o desenho gráfico de jornais e revistas em tabletes e outras plataformas assemelhadas. A essência, como tem preconizado o mestre Mário Garcia, é a mesma. Trata-se de contar histórias. O que muda é a perfumaria, o ferramental utilizado para fazer essa história chegar ao leitor/espectador.

Pra quem começou a vida publicando jornais mimeografados (como o lendário O Bafo, no Colégio Catarinense, no final da década de 60), ter à disposição uma tela portátil em que as fotos podem ter movimento, as citações podem ter som e os destaques podem abrir outras páginas instantaneamente, tudo com boa resolução e utilizando a tipologia e os recursos gráficos que quisermos e sonharmos, é o paraíso.

Queria também poder ajudar mais jornais pequenos e médios (e os profissionais que trabalham neles), a encontrar as boas histórias locais e a recuperar a alegria de contá-las de uma forma que aqueça o coração dos leitores e traga orgulho e gratificação para quem as publica.

Seria bom substituir essa palavra “repórter”, tão estrangeira e, a esta altura, de significado tão distorcido, por “contador de histórias”. Ou coisa parecida. E animar a rapaziada a encontrar, todos os dias, boas histórias, que devem ser contadas sem que percam o sabor e os detalhes picantes.

Não existe mais nenhum motivo para que pequenas e médias empresas contadoras de histórias sintam-se diminuídas perto dos grandes conglomerados, dos oligopólios de mídia. Ao contrário: está chegando a hora em que os companheiros que trabalham nesses monstros engessados e sem alma, comecem a sentir inveja de quem está próximo das suas comunidades, escolhendo seus assuntos conforme as preocupações da vizinhança e contando o que todos querem saber, de um jeito que a maioria entenda.

Não vou adiante, porque a lista é grande e ainda estou apenas nos primeiros itens. Espero que vocês também tenham feito suas listas de coisas a fazer para que 2013 seja diferente de 2012 e, se possível, melhor. Ou, se não for possível, pelo menos mais divertido.

Um bom ano, bom carnaval e boa Páscoa.

*PS: o quadro que escolhi para ilustrar essas caraminholas é uma brincadeirinha em que o autor, Andy Thomas (nascido em 1957 e famoso por seus quadros retratando o velho oeste e cenas da Guerra Civil), reuniu famosos contadores de histórias dos Estados Unidos: Norman Rockwell, Buffalo Bill, Teddy Roosevelt, Ronald Reagan, Ernest Hemingway, Will Rogers, Frederic Remington, Charles M. Russell e Benjamin Franklin (e o autor de costas, apoiado no tronco) ouvem, divertidos e interessados, o que Mark Twain está contando.

Discussão

Comentários estão desativados para este post.

  1. Não li acerca de seu interesse para assistir bons filmes. Eis, sem dúvida, um programa imperdível, principalmente quando se deixa de lado o trabalho para frequentar o cinema. E quando é no mesmo horário, o filme fica até melhor.

    Posted by paulo stodieck | janeiro 13, 2013, 07:29

Posts recentes

A semana dos enigmas
17 de abril de 2014, 8:09
Por Cesar Valente
Sexta-feira santa. Santa?
17 de abril de 2014, 7:08
Por Cesar Valente
Não entendo!
15 de abril de 2014, 7:08
Por Cesar Valente
E o jornal de domingo?
13 de abril de 2014, 15:00
Por Cesar Valente
Que vivam os estudantes!
3 de abril de 2014, 7:08
Por Cesar Valente

Arquivos