// você está lendo...

Jornalismo

O jornalismo, esse desconhecido

ADVERTÊNCIA: o Ministério dos Posts Enormes adverte que o texto abaixo é enorme e pode causar sonolência, irritação e flatulência. Há ainda alguns efeitos colaterais não completamente documentados. A persistirem os sintomas, mude de canal.

A morte do Mosquito trouxe novamente à tona um assunto que circula faz tempo nas mesas de bar. Tanto dos botecos onde se reúnem jornalistas, quanto aqueles que abrigam gente de outras profissões que começa a entender as possibilidades da internet e dos aparelhinhos digitais de imagem e som. E, em certas rodas, até ganhou um nome sofisticado: “jornalismo cidadão”.

Trata-se do seguinte: coletar e distribuir informações é algo acessível a qualquer um. Não é preciso mais ter um jornal, ou emissoras de rádio e TV, com suas instalações caras e equipamentos importados, para distribuir “notícias”. Nem mesmo para ter uma grande audiência é necessário investir muito dinheiro.

Com uma câmera digital baratinha, um computador que custa uma fração do que custava há dez anos e um acesso quase gratuito à internet, qualquer um pode se estabelecer na “rede” como “jornalista”. Ou fofoqueiro. Ou candidato a celebridade.

Nesse cenário, a discussão sobre obrigatoriedade de diploma de curso superior para exercer o jornalismo fica meio sem sentido. Afinal, antes ou, vá lá, junto com o STF, o mundo real deu as condições para que qualquer um, em qualquer lugar, pudesse exercer o jornalismo.

Aí já ouço o pessoal se remexer nas cadeiras, inquieto. Mas é isso mesmo: não é mais o custo da tecnologia, do hardware, ou do software, que define o jornalismo. E jornalismo não é mais exclusividade de pessoas jurídicas (que o governo brasileiro insiste em tributar de montão). Uma pessoa física, na solidão de sua casa na Pedra Branca, ou numa mesa da Kibelândia, tem as mesmas condições de acesso e distribuição de informações que os empregados do Notícias do Dia, ou do Diário Catarinense.

Em alguns comentários post-mortem, surgiu a discussão sobre se o que o Mosquito fazia era jornalismo ou não. É interessante que a discussão mais antiga, sobre se alguém é jornalista (ou tem o direito de ser jornalista) foi ultrapassada pela questão mais recente: isso que está publicado é jornalismo ou não?

E afinal, o que é jornalismo?

Essa é uma daquelas perguntas curtinhas cuja resposta pode encher todas as páginas de um… jornal. Antigamente era fácil: jornalismo é a profissão daqueles que trabalham em jornais, agências de notícias e nos departamentos de jornalismo de rádios e TVs. Mas, como vimos, isso acabou. O que nos obriga a mergulhar um pouco mais fundo.

Jornalismo é a coleta e distribuição de informações. Mais precisamente, de notícias. Notícia é a informação inédita, recente, relevante. O cidadão que viu um acidente, fotografou ou filmou com seu celular e divulgou no tuíter ou no facebook, distribuiu uma informação, deu uma notícia ou melhor, como se diz no jargão, um “flash”. A informação preliminar, urgente, publicada às pressas. E, por isso, em geral incompleta.

Ele pode perfeitamente continuar no local, ampliando a informação. Se tiver um pouco de bom senso, souber se expressar e dominar meia dúzia de técnicas, poderá até prestar um serviço igual ou melhor que prestaria um jornalista “profissional”. E o conjunto de “posts” poderá conter uma notícia completa, bem contada e correta.

A meu ver, o fato do sujeito não ser jornalista ou de não exercer profissionalmente o jornalismo, não desmerece em nada seu relato.

O que compromete, complica e arruina qualquer notícia é sua inexatidão, a mistura de informação com opinião, os erros de linguagem e a falta de dados fundamentais. E notícias mal escritas, mal editadas ou maldosamente construídas, a gente tá arriscado a encontrar em qualquer lugar: no blog do amador deslumbrado ou nos veículos da “grande imprensa”.

E boa parte dos leitores (espero!) sabe distinguir um texto ruim de um texto bom. Voltando ao caso do Mosquito, tenho certeza que seus leitores sabiam separar a adjetivação da informação. E seu prestígio não se sustentava só no texto desbocado mas porque, no fundo de toda a indignação, o leitor percebia que havia ali alguma notícia relevante. Claro que havia também os malinos que se divertiam apenas com a lama, mas essa é outra história.

Portanto, torna-se cada vez mais irrelevante a formação de quem distribui a informação (ou cria conteúdo, como gostam de dizer alguns). Mas é cada vez mais importante saber a quem ou ao que serve aquela informação. E a quem interessa que ela seja divulgada daquela forma.

Vocês sabem que a coisa mais fácil do mundo é fazer uma coluna de notinhas ou encher páginas de jornal, ou metros e metros de blogs com “notícias”. Existem milhões de assessorias de imprensa ansiosas por publicar informações de seus assessorados. Montões de políticos e outras personalidades oferecem todos os dias toneladas de texto e imagens, tanto a seu próprio favor, quanto em desfavor de seus adversários. E as “fontes” ligam para “todo mundo” sussurrando informações “exclusivas” que desejam ver publicadas.

Só que a melhor informação, a notícia mais “quente”, é aquela que alguém não gostaria de ver publicada. O que tentam esconder (principalmente se envolve dinheiro público), é que rende boas reportagens. E aí, o amador bem intencionado terá mais dificuldade.

Estão me acompanhando? Qualquer um pode coletar e divulgar informações. Mas se não estiver profissionalmente envolvido com esse mister e não tiver aprendido as técnicas necessárias para driblar os vendedores de facilidades, provavelmente vai acabar servindo de inocente útil. Laranja informativo, que publica o que lhe passaram achando que está prestando um serviço público e está apenas participando de um jogo sujo que ele não conhece e não domina.

Sim, sim, isso acontece com frequencia mesmo em ambientes “profissionais”. Muitos coleguinhas carecem de desconfiômetro e embarcam na fala mansa da “fonte”. Uns poucos (pelo menos torço para que sejam poucos) participam claramente do jogo de interesses e são premiados com agradinhos os mais variados.

A jovem sentada lá ao fundo levanta a mão e pergunta: “mas o Mosquito e tantos outros, ao divulgar denúncias passadas anonimamente, também não estão servindo de laranjas?” Claro. Mas este é o jogo dos blogs e veículos comprometidos com alguma causa. Tudo o que estiver de acordo com a causa, com a tese defendida ali, ganha acolhida e destaque. “Mas então o Mosquito não era independente?” Era no sentido de não ter ligações formais com empresas, pessoas ou entidades, mas a sua militância evidente, em defesa de uma causa, o colocava entre aqueles veículos que a gente precisava ler com certas precauções. E alguma cautela.

É bom para a democracia, para a vida em sociedade, para o avanço da cultura política, que todo tipo de informação circule. Mesmo aquelas empanadas em palavrões. Ou embutidas em adjetivos fortes. Não tenho saudade do tempo em que a única forma de se fazer circular informações alternativas era usar furtivamente o mimeógrafo da escola. As coisas melhoraram muito e essa facilidade que temos todos de nos expressar e tornar nossas palavras acessíveis ao mundo todo, é um avanço espetacular.

Só que agora, como antes, continuam existindo a fofoca, a conversa de mesa de bar, o anúncio alarmista, a calúnia pura e simples, a mentira, o aleivo e outras variantes. A informação confiável, em que a gente pode acreditar sistematicamente, que está na base dessa coisa complicada conhecida genericamente como jornalismo, era relativamente rara e ainda é. Mas assim como “todo mundo” está aprendendo a se expressar na internet, também está, espero, aprendendo a ver que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa.

OK, chega por hoje. Uma boa hora feliz de sexta e um fim de semana revigorante.

Discussão

Comentários estão desativados para este post.

  1. Olha a PEROLA que achei na internet:
    http://www.sinaj.org.br/

    Sindicato alternativo cria curso de jornalismo para não diplomados atuarem na área
    Izabela Vasconcelos

    O Sindicato Nacional de Jornalistas (Sinaj), que filia comunicadores sem formação específica na área, oferece um curso livre de habilitação em jornalismo para os que ingressarem na entidade. De acordo com o presidente da entidade, Fernando Leão, o curso online tem uma carga de 280 horas.

    Sindicato_tabajara
    Entidade divulga curso para os que querem ter uma nova profissão
    Apesar de o sindicato não ser reconhecido pelo Ministério do Trabalho, o presidente diz que o curso abre a possibilidade para uma nova profissão. “Muitos vão procurar MTB sem saber o que é jornalismo e aqui a gente ensina para os que se filiarem”, explica.

    Leão argumenta que não há nada de ilegal na iniciativa. “Não estamos fazendo nada de errado. O Supremo Tribunal Federal (STF) que decidiu isso em 2009”.

    A entidade existe há dois anos, desde que o STF extinguiu a obrigatoriedade de diploma para o exercício da profissão. Os filiados pagam uma taxa de sindicalização de R$ 180 pela opção semestral ou R$ 300 de taxa anual.

    O site da entidade anuncia que os internautas podem ser jornalista sem muita burocracia ou aprendizado técnico sobre a profissão. “Não perca esta oportunidade. Tenha uma nova profissão”, informa.

    Posted by J.L.cibils | dezembro 16, 2011, 15:37
  2. Foi um prazer lê-lo, ainda que o texto seja enorme, aliás, exatamente por isto.

    Posted by Jean Scharlau | dezembro 16, 2011, 15:49
  3. Texto interessante. Bacana pensar que não somos mais reféns dos memos grupos midiáticos de alguns anos atrás. Decepcionante pensar que mesmo com outras mídias a situação política do país não muda. Reina a grande hipocrisia!

    Posted by Anthony Toini | dezembro 16, 2011, 16:05
  4. zzzzzzzzzzzzzzzz…

    Posted by Carlos | dezembro 16, 2011, 16:18
  5. Não tem deveres para casa?
    Então,obrigado e bom descanso.

    Posted by epa | dezembro 16, 2011, 17:35
  6. que saco!!!

    Posted by eloa | dezembro 16, 2011, 18:43
  7. Lalinha! Sabia que ias me entender :-)

    Posted by Cesar Valente | dezembro 16, 2011, 21:05
  8. Bebeu? Andou muito no sol? Onde é que fica a formação na redação e na escola? Qual é a ética que se usa nestes exemplos? A do Mosquito?
    Para César, dá um tempo. Jornalismo não é escrever ou fazer poesia, denúncia ou fofoca. Jornalismo é um ofício, é preciso dominar as técnicas, os conceitos e a ética. Vivemnos numa Ilha em que todo mundo se acha no direito de dizer como é que o outro tem que fazer o seu trabalho, exercer o seu ofício.
    Não bebe tanto vinho no almoço, escreva depois de tirar uma soneca. César virou guru?

    Posted by Brito | dezembro 16, 2011, 21:57
  9. Beleza… exigir curso superior é remar contra a maré… o meu diploma eu rasguei quando caiu a obrigatoriedade… e deixei a profissão… CHEGA!

    Posted by Ivan Pimentel | dezembro 16, 2011, 23:18
  10. Brito, continuas lendo apressadamente e entendendo da forma que achas melhor. Se tivesses lido com atenção terias visto que falei quase tudo o que dissestes que o jornalismo é: um ofício. Lê de novo, quando estiveres mais calmo. E, por incrível que te possa parecer, nunca estive tão sóbrio.

    Posted by Cesar Valente | dezembro 17, 2011, 00:02
  11. jornalismo é tão ofício que a palavra vem de jornada, o dia. Ou seja, o relato do que foi que aconteceu naquele dia. +0

    Posted by Edson Silva | dezembro 17, 2011, 02:10
  12. Esse Brito, aí arriba, não é um dos gaúchos que vieram com o Gaguinho e a Cinara, lá pelos idos de 1971, trazidos pelo Fedrizzi para fundar o JSC?

    Posted by Strix | dezembro 17, 2011, 13:58
  13. Strix, o Brito é manezinho quatrocentão, o trisavô dele vendia farinha pros espanhóis que dominaram a ilha antes dos gaúchos. E o tataravô ensinou os índios a fazerem beiju doce. Até esteve no RS, mas não foi pro JSC no começo. Era da sucursal da Caldas Jr em Fpolis.

    Posted by Cesar Valente | dezembro 17, 2011, 16:31
  14. Fui dormir lendo a coluna do Prisco, onde havia vários elogios a gestão atual da CELESC, antes havia lido também o Paulo Alceu com várias referências elogiosas. Acordo, leio o Moacir Pereira repetindo o mesmo “release”, levanto da cama e… está faltando luz.

    Posted by Kate | dezembro 17, 2011, 19:42
  15. Texto bom pra fazer pensar… Refletir… Jornalistas vivem o que os Administradores vivem há anos, sem o aval do STF. Qq um pensa que pode ser. Alguns não diplomados podem até fazer melhor que os ditos “profissionais”. Alguns. A maioria só faz burrada.

    Posted by Aline | dezembro 18, 2011, 18:00

Posts recentes

O fim de uma era
23 de maio de 2014, 17:27
Por Cesar Valente
E aí? Abandonou o blog?
6 de maio de 2014, 17:46
Por Cesar Valente
Brasília real aos 54 anos
28 de abril de 2014, 22:12
Por Cesar Valente
Beleza e crueldade
28 de abril de 2014, 22:01
Por Cesar Valente
A semana dos enigmas
17 de abril de 2014, 8:09
Por Cesar Valente

Arquivos