// você está lendo...

Bloguices

O Mosquito está morto

O Canga me ligou, pouco antes das sete da noite, para dar a notícia. Levei um susto e lembrei, na hora, do caso do vereador de Chapecó, também encontrado morto, como se tivesse se suicidado. Com a garantia do Canga de que a notícia era verdadeira, fiz alguns comentários no tuíter. E vi, por ali e nas redondezas, algumas coisas que também me assustaram.

Isso de achar que o fato do Mosquito exercer sua liberdade de expressão e dizer o que alguém não gostaria que fosse dito, ou que não queria que fosse dito daquela forma tornaria “natural” um fim violento e/ou prematuro, é de uma canalhice ímpar.

Não existe pena de morte para delitos de opinião. Só bandidos, malacos, imbecis amorais acham que podem (ou devem) calar os boquirrotos à força. E só gente muito rastaquera fica agora, diante do corpo sem vida do Mosquito, cagando sentença moralista, inventando uma relação de causa e efeito que é inaceitável em sociedades civilizadas.

Ops, parece que não é o nosso caso.

Faz algum tempo que deixei de ser amigo do Mosquito. Sempre discordei dos seus métodos mas sempre defendi, o quanto pude, seu direito de dizer o que queria, do jeito que queria. O que irritava mais os ofendidos por ele é que, em alguns aspectos e de alguma maneira, ele tinha razão. Às vezes perdia rapidamente o foco e se embrenhava num texto confuso de adjetivação intensa e irresponsável. Mas na maioria das vezes sua indignação era tão justa quanto as nossas. E em alguns momentos rimos em segredo, satisfeitos porque aquele maluco teve a coragem de dizer o que gostaríamos. E de tratar as coisas e pessoas com seus nomes próprios que não temos coragem de mencionar porque somos bem educados e bem hipócritas.

Os ladrões do dinheiro público não têm medo do Judiciário, nem do Ministério Público, muito menos do Tribunal de (faz de)Contas. Mas vários deles tremeram com a lama que o Mosquito jogou no ventilador. Tinham medo daquele sujeito gordo e fraco que não tinha medo de dizer o que achava que devia dizer. Os mais bandidos achavam que ele merecia morrer. Os mais espertos, contavam com o efeito que o esmagamento de suas possibilidades de sobrevivência faria à sua saúde.

O Mosquito não é um herói, muito menos um mártir. É um batalhador, que sempre trilhou caminhos heterodoxos. Foi um comunista capitalista, um festeiro, um carnavalesco, quis ser diretor de marketing de time de futebol, foi dono de bar, viveu  vida toda cercado por jornalistas, meteu-se em muitos negócios, alguns meio sombrios e quando descobriu a internet e os blogs, se achou. Não precisava mais sussurrar suas denúncias e sua indignação nos ouvidos dos amigos e conhecidos que trabalhavam em veículos de comunicação, esperando ver alguma coisa publicada. Podia ser seu próprio “publisher”.

Era um vaidoso, não sabia lidar com a rejeição. Ficou brabo quando o bloqueei no tuíter, como ficava irritado quando eu não publicava seus comentários no meu blog. Subia aos céus quando cresciam os acessos ao Tijoladas e se angustiava quando notava que diminuíam. Tenho a impressão que ele sonhava em ser carregado nos braços pela multidão de leitores. Na verdade, tentou ser sustentado pelos leitores. Mas parece que não deu muito certo: a turma adora ver um maluco xingando os políticos, mas não quer se envolver.

Uma pena. A democracia fica capenga sem gente que jogue pedra nos telhados de vidro. A internet fica chata sem esses indignados irresponsáveis que distribuem caneladas em engravatados que se acham intocáveis e, sobretudo, impunes. E que hoje, vergonhosamente, sentiram-se aliviados porque ouviram dizer que o Mosquito está morto.

Discussão

Comentários estão desativados para este post.

  1. É, os corruptos da cidade conseguiram o que nem a ditadura foi capaz: abateu o mosquito. Seja qual for a causa da morte dele, os culpados já sabemos quem são. Eles certamente vão dormir bem mais aliviados hoje, sem o pernilongo e suas penadas certeiras a lhes atazanar. Mas de uma coisa eles podem estar certos: os inimigos do mosquito são inimigos dos leitores dele. A luta continua!

    Posted by carlos | dezembro 13, 2011, 21:32
  2. Muito bom tio Cesar.
    É sempre triste quando se perde um sujeito como o Mosquito, por mais que eu não também não concorde com a forma que ele acusava e julgava, não se pode negar que caras como ele ajudam a mostrar coisas que muitos querem esconder.
    Vamos esperar a investigação para ver como isso ocorreu, se bem que deve ter muita gente graúda que não se importa, ou não quer ver o caso esclarecido.

    Posted by Wilmor Henrique | dezembro 13, 2011, 21:40
  3. O Mosquito exercia ao máximo o seu direito de liberdade. Ele vivenciou a democracia que dizem que nós temos mas foi barrado pela “democracia” que de fato temos!

    Posted by Anthony Toini | dezembro 13, 2011, 21:45
  4. Ficarão muitas saudades. Das palavras, dos torpedos certeiros, do carinho. Parte da nossa história se vai com o Mosquito.

    Posted by Bea Porto | dezembro 13, 2011, 21:49
  5. Se foi nosso Don Quixoto. É cedo prá dizer algo, mas as partidas são sempre estranhas. Direta ou indiretamente há algo estranho. Tristeza.

    Posted by Luiz Carlos Schneider | dezembro 13, 2011, 22:11
  6. Preparem-se, viram muitos mais mosquitos por aí. Chegou a hora de desmacararmos os corruptos e fazer valer o justiça.

    Posted by Marcos Teixeira | dezembro 13, 2011, 22:52
  7. Corrigindo…

    Preparem-se, virão muitos mais mosquitos por aí. Chegou a hora de desmacararmos os corruptos e fazer valer o JUSTIÇA.

    Posted by Marcos Teixeira | dezembro 13, 2011, 22:52
  8. Abrangente reflexão sobre a morte do Mosquito. Serena, direta e devido ao escasso tempo que teve para ser redigida, percebe-se o predomínio da realidade sem muita perfumaria >>
    http://izidoroazevedo.blogspot.com/2011/12/morte-de-amilton-alexandre-o-mosquito.html

    Quanto à dúvida sobre as causas da sua morte tem um detalhe que me intriga: O domínio do site http://www.tijoladas.info foi registrado em uma empresa dos E.U.A e como a página foi desativada exatamente no dia da morte do Amilton, pode-se deduzir duas coisas: 1) O Mosquito realmente premeditou algumas coisas como a desativação do site e na sequência a sua morte. 2) Se houve homicídio, os criminosos chegaram até o requinte de conseguir os meios de gerenciar e consequentemente desativar o blog Tijoladas. Alguém notou até que horas o TIJOLADAS estava ativo no dia de hoje? eu lembro que visitei o blog por volta das 12h40min e ainda estava no ar…

    Posted by Tetsuo | dezembro 13, 2011, 23:15
  9. Sem dúvida, uma grande perda. Mas, precisa-se investigar o que realmente aconteceu com ele. Suas denúncias tocaram em pessoas “poderosas” aqui na terra. Pessoas que não terão poder algum para evitar o encontro com o Enxofre do Fogo fátuo intenso que os queimará por séculos no Reino de Lúcifer. Pessoas que manipulam e dominam a corrupção. Que mancomunam o jornalismo para a promoção dos políticos. Além claro, destes mesmos…que detém a condição de se manter no poder em uma ditadura “branca”, pelo domínio do destino de nossos impostos, pela chantagem, fisiologismo e clientelismo. Mosquito era um vanguardista aberto contra esse poder que nos sufoca. Não é possível jamais esquecer a sua coragem. O que aconteceu com ele?

    Posted by Sérgio Vieira | dezembro 13, 2011, 23:22
  10. Disseste tudo, Cesar.
    mas lembrar do Mosquito empolgado com seu aniversário na travessa ratcliff e dizendo que sairia candidato a vereador ano que vem me parece meio que na contramão desse fim absurdo.

    Posted by Dorva | dezembro 14, 2011, 00:04
  11. O Mosquito tinha a coragem de poucos, pessoas assim, não desistem, não se entregam ao cansaço nem ao medo, pessoas assim, só sucumbem quando abatidas.

    Posted by Lidia Radke | dezembro 14, 2011, 00:05
  12. Ainda estou em choque com essa notícia. Não sabemos ainda o que aconteceu de fato, sabe-se lá se nosso blogueiro encrenqueiro e corajoso morreu de “morte morrida” ou de “morte matada”…

    O que sabemos é que ele infernizava a vida de muito político e gente poderosa da ilha. Carregava consigo tantos processos por dizer aos quatro ventos o que muita gente não tinha coragem de dizer e a “mídia” ocultava.

    Isso tudo me fez pensar em uma palavrinha chamada “poder”. Infelizmente, a Constituição Federal mente ao dizer que o poder é do povo. Bem sabemos que o poder está nas mãos de políticos, e não só nas deles… O poder é uma REDE interligada, entrelaçada, como numa grande teia de aranha… e, ai de quem se atreva a querer se meter na “rede”…

    A verdade é que há muita coisa errada no “sistema”, na “rede”… Mas nem por isso devemos nos intimidar, temos que agir pelas “beiradas” muitas vezes, mas precisamos, principalmente, exercer os direitos que nos foram “dados” através de muita luta e reivindicações antigas.

    Outros “mosquitos” hão de aparecer na “rede”, talvez “mosquitos” um pouco mais cautelosos, que ajam pelas beiradas e consigam agir com eficácia antes que a aranha dê o bote.

    Se esse triste acontecimento serve de lição para alguma coisa eu não sei. Só sei que essa figura de palavras desmedidas nos ensinou a prestar mais atenção à “rede”, a não engolirmos tudo que nos é empurrado “goela abaixo”, a reivindicarmos nossos direitos e a sermos críticos e atentos ao que os nossos “representantes” “representam”….

    Posted by Nirsan Grillo | dezembro 14, 2011, 00:08
  13. Tio Cesar,
    o Mosquito era um cara fabuloso! conseguiu sobreviver num meio fedorento e movediço dos jornalistas e empresas “jornalistas” de um Estado em que o dinheiro acha que pode comprar e sobrepor tudo!!!No entanto, com ja foi dito antes, muitos Mosquitos surgirão pra conter (eu disse conter, pq acabar com isso é impossível) com esses sanguesugas. Certamente o Mosquito não foi um herói, mas disse coisas que a grande maioria da população catarinense gostaria de dizer!!!
    Que bosta de judiciário, que bosta de executivo, que bosta de legislativo, que bosta de povo, parece que era isso que queria dizer…Descanse em paz!!! Vc cumpriu sua missão!!!

    Posted by Sergio | dezembro 14, 2011, 00:08
  14. Como ele atacava os poderosos, obviamente os “podres poderes” o atacaram.
    Então, obviamente, esses mesmos poderes impedirão qualquer investigação séria. “Foi suicidado”, prática muito comum nos tempos da Ditadura.

    Posted by Paulo Pennaforte | dezembro 14, 2011, 00:16
  15. Se uma bomba implodisse todas as redações da cidade e voássemos todos jornalistas pelos ares, todos com nossos manuais de ética e práticas responsáveis, insípidas e inovensivas de jornalismo, não faríamos um centésimo da falta que o Mosquito fará para esta cidade onde o prefeito, o xerife e o dono da mídia andam de mãos dadas. Mosquito, o último e destemido repórter flâneur e marrom do século XXI era nada mais do que um mal absolutamente necessário. Pqp…Florianópolis vai ficar insuportável sem o zumbido deste jornalista… Alguém pode me dizer onde e quando será o enterro? César, você não nos abandone!

    Posted by raquel wandelli | dezembro 14, 2011, 00:49
  16. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), o velório do Mosquito será nesta quarta-feira, das 10h às 15h, no Cemitério São Francisco de Assis, no Itacorubi, onde será sepultado.
    DIÁRIO CATARINENSE

    Posted by jean | dezembro 14, 2011, 01:17
  17. obrigada… então vamos todos lá, zumbir por ele…

    Posted by raquel wandelli | dezembro 14, 2011, 02:01
  18. Cesar, confesso que quando li, no teu twitter, que daria porrada em quem falasse mal do Mosquito pensei: agora irão transformar o cara em santo, o que nunca foi. Mas como meu pai sempre disse que o fígado é um péssimo conselheiro, aguardei. Saí para um aperitivo com os amigos, e ao voltar, leio teu artigo. Afora a parte do “batalhador heterodóxo”, concordo absolutamente contigo. E lamento sua morte, como lamento a morte de qualquer pessoa.

    Posted by Murillo S Costa | dezembro 14, 2011, 02:12
  19. Sou do Paraná e lamento muito o fato ocorrido. Mosquito era a inspiração de um blog que faço por aqui. Com certeza ficará uma lacuna aberta nos corações de quem conheceu ou leu o mosquito.
    Agora isto precisa ser bem investigado, não tem muito sentido sua morte. Vai com Deus Mosquito, você fará falta

    Posted by ariozil | dezembro 14, 2011, 08:43
  20. Olá César , VAlente??? se o Mosquito era um cara verdadeiro e corajoso ,porque então deixasse de ser amigo dele?Eu heim? Ele teve coragem !!!!
    Bem não estou aqui para julgar ninguém…a Morte dele confirma a existência das máfias dos poderosos(O TAL PODER INVISÍVEL). A ESSA FALSA DEMOCRACIA EU DESPREZO!!!

    Posted by sueli wendhausen ramos | dezembro 14, 2011, 10:21
  21. Recebi incrédulo a notícia no início da tarde: não é possível que Mosquito está morto. E não é possível que ele tenha se matado. E agora, e não consigo pensar e não for de maneira binomial, como fica o exercício do contraponto?

    Posted by Wagner Saback Dantas | dezembro 14, 2011, 14:30
  22. Cesar, não conheci o Mosquito pessoalmente, mas, aqui de Brasília, a impressão que tinha dele coincide com a descrição que fizeste. Fiquei sensível ao caso do estupro da aluna do Catarinense, o que me fez, inclusive, criar uma conta no Twitter por saber que o caso não teria repercussão na “grande” mídia. Logo de prima, passei a seguir o @tijoladas para divulgar o caso. Um mês depois, parei de segui-lo por alguns motivos que descreveste. Só espero que a investigação policial neste caso seja mais séria do que a do caso do estupro denunciado pelo Mosquito. Nós, jornalistas, que prezamos tanto a liberdade de expressão, temos que lamentar muito a morte dele.
    Abraço!

    Posted by Pablo Cachoeira Claudino | dezembro 14, 2011, 16:06
  23. “A mosca não zumbiza mais”

    Triste desfecho. De certa forma, um esperado “gran finale”. Melancólica a situação hoje no cemitério quando o Mosca não tinha nem grana para ser sepultado em mínimas condições humanas. Os amigos o socorreram. E também alguns inimigos contribuíram na passagem do chapéu, pois, hipocritamente lá estavam para “chorar o morto”. Mundo imundo e triste este dos infectados pelo poder. Mas ficou um gosto de derradeira dignidade.
    Ficamos todos olhando para o corpo inerte daquele grandalhão “tão periogoso”, agora, dormindo suavemente. Amilton Alexandre deu a sua derradeira tijolada nele mesmo. Ou deram? Digo “deram” não de forma direta, mas dentro daquela velha lógica newtoniana de que “para todo efeito existe pelo menos uma causa”. E, com certeza, não faltarão causas, motivos e ódios capazes de explicar aquele corpo tão “repelente” balançando esticado pelo pescoço, dependurado dentro do mínimo apartamento, onde vivia apenas com a mãe idosa.
    De toda forma, o Mosquito está morto. Como o Raul, uma mosca a menos no seu quarto a zumbizar. UFA! devem estar exclamando -em silêncio cavernoso- algumas “criaturas nefastas” expostas às suas picadas e e não menos necessárias tijoladas. Até mais: descanse -agora- em paz, velho Muska!

    Giba Motta / jornalista

    Posted by Gilberto Motta | dezembro 14, 2011, 17:44
  24. Para ariozil:

    “…Agora isto precisa ser bem investigado, não tem muito sentido sua morte.”

    Ariozil, como dizemos aqui na Ilha da Magia; “Tás brincando né”???

    Posted by geni | dezembro 14, 2011, 23:55
  25. Ariozil,

    “Os homé aqui já falaro: ele-se- suicidosse” e o blog dele o “Tijolada” parece que “se suicidosse junto…quase na mesma hora…Amigo, isso só acontece aqui…por isso essa Ilha é da Magia…

    Posted by geni | dezembro 14, 2011, 23:58
  26. [...] coluna de hoje, no Diarinho, publiquei, com pequenas alterações, aquele texto sobre o Mosquito que saiu aqui no blog na terça-feira. Ilustrei-o com a foto acima, tirada na festa de 30 anos do jornal, quando Mosquito [...]

    Posted by De Olho na Capital | O silêncio do Mosquito | dezembro 15, 2011, 06:11

Posts recentes

O fim de uma era
23 de maio de 2014, 17:27
Por Cesar Valente
E aí? Abandonou o blog?
6 de maio de 2014, 17:46
Por Cesar Valente
Brasília real aos 54 anos
28 de abril de 2014, 22:12
Por Cesar Valente
Beleza e crueldade
28 de abril de 2014, 22:01
Por Cesar Valente
A semana dos enigmas
17 de abril de 2014, 8:09
Por Cesar Valente

Arquivos