// você está lendo...

Jornalismo

O custo do (bom) jornalismo

Estava lendo algumas coisas no arquivo, preparando-me para fazer uma matéria para o jornal da Associação Nacional dos Jornais sobre a cobrança de conteúdos jornalísticos na internet, quando encontrei este texto, que publiquei aqui no blog em 8 de dezembro de 2008. E trouxe pra cá, porque a discussão continua acesa, e muito atual.

A rede pública de rádio dos Estados Unidos (npr.org) divulgou hoje (8/12/2008) uma entrevista com o editor executivo do The New York Times, Bill Keller sobre o momento que vivem os jornais, com essa crise e tudo o mais (leia o resumo e ouça, aqui, em inglês). E o blog do Forum Mundial de Editores chama a atenção para um detalhe importante da entrevista: a escassez do que ele chama de “jornalismo de qualidade”.

E a questão central é o fato de que jornalismo não é barato. Fazer um blog de opinião é uma pechincha, não se gasta quase nada, a não ser a paciência dos leitores. Mas fazer jornalismo é caro. Como diz Mr. Keller, “não se encontra blogs ou websites sem finalidade lucrativa capazes de instalar um escritório em Bagdá”.

Bom jornalismo é caro mesmo. Esta é uma constatação a que muitos donos de veículos de comunicação já chegaram. E não é à toa que fazem o que fazem. Há um descompasso grave entre o que os esquemas comerciais das emissoras conseguem faturar com o bom jornalismo e o seu custo.

Claro que não seria necessário descer aos porões fétidos em que alguns departamentos de jornalismo se meteram, produzindo uma coisa gosmenta que chamam de “jornalismo positivo” ou “entretenimento informativo”, mas a verdade é que se espalhou uma convicção perniciosa, de que jornalismo só dá prejuízo.

E o bom jornalismo, além disso, aparece, para os incultos dirigentes de vários veículos de comunicação, como um risco permanente. Isso de ter que noticiar o que for notícia e o que possa interessar à maioria, é muito perigoso. E se algum anunciante, um amigo da casa, o filho nervosinho de alguma autoridade envolver-se com a lei, com o crime, meter os pés pelas mãos? O dono da empresa quer ter o poder de adocicar a notícia, de fazer o fato curvar-se à sua vontade e entregar uma versão rósea de parte do mundo. Da mesma forma, dependendo de quem se trata, eles sonham pintar com cores fortes e catastróficas uma coisa que, de outra forma, nem seria notícia.

O resultado dessa convergência perversa de fatores é que o leitor, espectador, cidadão que depende de informação para cumprir sua parte na organização e manutenção da vida em sociedade, recebe uma alimentação pobre de nutrientes. Em vez de um feijão com arroz e bife, salada, suco, sobremesa e mais uns tantos complementos saborosos e saudáveis, acaba sendo submetido a uma dieta rala, de sopinha insossa, sem a proteína e sem as fibras que as informações bem apuradas e bem apresentadas geralmente contém.

E para os (bons) profissionais a pior conseqüência é que muita gente passa a acreditar que jornalismo é isso aí, que é apresentado como sendo. E se não se produz jornalismo de qualidade, então não há necessidade de jornalistas de qualidade. Pra fazer o que muitos veículos usam para preencher os espaços “jornalísticos”, de fato, qualquer um serve.

Mas não deixem-se abater pelo tom aparentemente negativo deste comentário. O editor do NYT, quando perguntado, na entrevista que citei acima, qual seria a manchete do jornal, para este momento, nesta conjuntura, respondeu: “Nós sobreviveremos”.

O momento não é dos mais felizes, para aqueles que se preocupam com a qualidade da informação que está disponível para a maior parte da população, os esforços daqueles que tentam prestar um bom serviço não são reconhecidos, mas também gosto de pensar que acabaremos sobrevivendo.

A PROPÓSITO

Termina amanhã (sexta, 29/7/2011) o prazo para que os jornalistas catarinenses regularizem suas situações junto ao caixa do sindicato dos jornalistas, para que possam votar na eleição do próximo mês. Tem duas chapas na disputa: a situação e a oposição. A de oposição é composta por várias pessoas que já dirigiram o sindicato e algumas caras novas. A situação é isso que está aí. Mais informações no site da chapa de oposição, ou no site do sindicato.

Discussão

Comentários estão desativados para este post.

Comments are closed.

Posts recentes

O fim de uma era
23 de maio de 2014, 17:27
Por Cesar Valente
E aí? Abandonou o blog?
6 de maio de 2014, 17:46
Por Cesar Valente
Brasília real aos 54 anos
28 de abril de 2014, 22:12
Por Cesar Valente
Beleza e crueldade
28 de abril de 2014, 22:01
Por Cesar Valente
A semana dos enigmas
17 de abril de 2014, 8:09
Por Cesar Valente

Arquivos