// você está lendo...

Jornalismo

Santa, do fundo do baú

Todo mundo que se interessa por jornalismo sabe que, em SC, a criação do Jornal de Santa Catarina (com sede em Blumenau e circulação estadual) foi um marco histórico. Balançou a árvore, sacudiu a poeira, fez O Estado e A Notícia se mexerem e agitou de tal forma o mercado profissional, que a gente pode dizer, sem medo de errar, que antes do Santa era uma coisa e depois do Santa foi outra.

Neste final de semana o Mário Medaglia estava mexendo nuns livros velhos de uma velha estante e caiu, do meio das páginas de um deles, uma foto fantástica. Que eu tratei de escanear pra mostrar pra vocês. Como também sou velho, não lembro do nome de todos, mas vocês podem ajudar. Pra facilitar coloco a foto inteira e depois alguns detalhes ampliados.

JSC 1972

Acervo do MMedaglia. Deve ter sido por volta de 1971.

De pé, da esquerda para a direita, duas moças aguardando nomes, o Nestor Fedrizzi, mentor da coisa e arregimentador de talentos, o Nei Duclós com suas inconfundíveis madeixas de poeta, o Juca Deschamps e o grande Virson Holderbaun.

Na segunda fila Renan Ruiz, diagramador que também trabalhou em O Estado, alguém de camisa listrada esperando nome e, com pose de estancieiro e barba espessa, o Sérgio Becker.

À frente, sentados no chão, Paulo (?), Zé Reinoldo Rosembrock, Mário Medaglia, Zé Antônio Ribeiro (Gaguinho) que era o editor-chefe e a Cinara, mulher dele, também jornalista.

Abaixo detalhes da mesma foto.

JSC-1971

...

JSC 1971

...

JSC 1971

...

Discussão

Comentários estão desativados para este post.

  1. Lembro o dia dessa foto e rimos bastante do Reinoldo que levou a máquina de escrever, inseparável, para a pose. Quem seriamos nós sem o tec tec da máquina?

    Posted by Nei Duclós | junho 6, 2011, 16:04
  2. Na época não chamávamos o jornal de Santa. Ninguém trabalhava no Santa, mas no Jota Esse Cê. Era assim que nos referíamos ao jornal, o JSC.

    Posted by Nei Duclós | junho 6, 2011, 16:05
  3. Percebi uma certa ironia no “grande
    Virson”. Mal comparando com meu estado físico atual, posso afirmar que já fui um jornalista com cinturinha de vespa,hehe.

    Posted by Virson Holderbaum | junho 6, 2011, 17:24
  4. É mais que uma foto, é um presente pra todos nós. Obrigado César e Mário

    Posted by Virson Holderbaum | junho 6, 2011, 17:44
  5. Não há o menor traço de ironia quando chamo um dos grandes jornalistas que conheço de grande. E jamais faria qualquer referência a cinturas, porque não se fala em cintura em casa de barrigudinho crônico. :-)
    Acho que fomos nós, na capital, que começamos a chamar o jornal dos galegos de Santa. Mas “jornal dos galegos” era mais usado.

    Posted by Cesar Valente | junho 6, 2011, 17:50
  6. Pelo varal de jornais ao fundo, esse “instantâneo” foi feito ainda no tempo do “tesoura press” e do rádio-escuta. Certamente não havia chegado os teletipos da UPI e AJB. A Cinara ainda não sabia o que seria a gravidez e aquelas duas cirigaitas ao lado do Fedrizzi estão ocupando o lugar de minha mesa defronta ao “aquário”. E mais, o JSC só mudou de sexo depois da RBS iniciar a encampação (e avacalhação) da imprensa de SC.

    Posted by Strix | junho 6, 2011, 23:15
  7. Pelo varal de jornais ao fundo, esse “instantâneo” foi feito ainda no tempo do “tesoura press” e do rádio-escuta. Certamente não haviam chegado os teletipos da UPI e AJB. A Cinara ainda não sabia o que seria a gravidez e aquelas duas cirigaitas ao lado do Fedrizzi estão ocupando o lugar de minha mesa defronta ao “aquário”. E mais, o JSC só mudou de sexo depois da RBS iniciar a encampação (e avacalhação) da imprensa de SC.

    Posted by Strix | junho 6, 2011, 23:16
  8. Não havia tesoura press nem radio escuta no JSC. Tinhamos a UPI, France Press e AJB. Selecionávamos os telegramas e editávamos, ou seja, dava um trabalhão danado compor as páginas de nacional e internacional, escrever linha a linha a partir das informações vindas pelo teletipo. Os jornais dependurados lá eram para a consulta, era nossa atualização diária, quando chegávamos á redação. Sei porque Virson e eu éramos encarregados do noticiário nacional e internacional. Eito brabo, suor e seriedade.

    Posted by Nei Duclós | junho 7, 2011, 04:06
  9. Não havia tesoura press nem radio escuta no JSC. Tinhamos a UPI, France Press e AJB. Selecionávamos os telegramas e editávamos, ou seja, dava um trabalhão danado compor as páginas de nacional e internacional, escrever linha a linha a partir das informações vindas pelo teletipo. Os jornais dependurados lá eram para a consulta, era nossa atualização diária, quando chegávamos à redação. Sei porque Virson e eu éramos encarregados do noticiário nacional e internacional. Eito brabo, suor e seriedade.

    Posted by Nei Duclós | junho 7, 2011, 04:07
  10. Rapazes, desculpem a falta de modéstia, mas sinto um orgulho danado ao olhar essa foto o que me lembra que participei, junto com outros companheiros ainda por aqui, de dois momentos importantes (Santa e OE) de transformação e evolução da imprensa catarinense. Pena, como disse o Strix aí em cima, que o que sobrou foi a avacalhação de todo o processo.

    Posted by Mário Medaglia | junho 7, 2011, 16:31
  11. Avacalhação porque antes da RBS monopolizar a imformação no estado havia uma “saudável” competição entre o JSC, O Estado e A Notícia. Hoje, com o DC botando o Estado de escanteio, abocanhando o JSC e prostituindo A Notícia (com permissão do César) virou uma baita putaria franciscana.

    Posted by Strix | junho 7, 2011, 23:32
  12. Avacalhação porque antes da RBS monopolizar a informação no estado havia uma “saudável” competição entre o JSC, O Estado e A Notícia. Hoje, com o DC botando o Estado de escanteio, abocanhando o JSC e prostituindo A Notícia (com permissão do César) virou uma baita putaria franciscana.

    Posted by Strix | junho 7, 2011, 23:34
  13. Tenho certeza que a história do jornalismo catarinense divide-se em duas partes: antes e após o advento do Jóta Ésse Cê. A destacar a diferença entre os “pioneiros” gaúchos trazidos pelo grande Nestor Fedrizzi, e os que foram “trazidos” depois…

    Posted by juca deschamps | junho 14, 2011, 22:03

Posts recentes

O fim de uma era
23 de maio de 2014, 17:27
Por Cesar Valente
E aí? Abandonou o blog?
6 de maio de 2014, 17:46
Por Cesar Valente
Brasília real aos 54 anos
28 de abril de 2014, 22:12
Por Cesar Valente
Beleza e crueldade
28 de abril de 2014, 22:01
Por Cesar Valente
A semana dos enigmas
17 de abril de 2014, 8:09
Por Cesar Valente

Arquivos