// você está lendo...

Eleições 2010

Tadinho do Dário…

Nada como um dia ensolarado para desanuviar as idéias e colocar o mundo em perspectiva. Eu andava meio preocupado com o fato do eleitor catarinense ter ficado cego. Vejam, por exemplo, o caso do ex-deputado estadual e ex-secretário da Segurança Ronaldo Benedet. A meu ver, teve uma trajetória desastrada pelo governo, com sua patética insistência em ir de município em município entregando “viaturas”, enquanto o sentimento de insegurança se alastrava. E sua cara de paisagem enquanto as fugas em massa aconteciam. Não queria saber de mais nada, além da própria campanha, realizada no mais tradicional estilo da “política velha”. E funcionou. Elegeu-se deputado federal, que era o que ele queria e objetivo para o qual trabalhava permanentemente.

O eleitor, portanto, parece não ligar para o fato do sujeito ter sido um péssimo secretário da segurança. E assim como ele, vários outros que aparentemente portaram-se abaixo de qualquer padrão de qualidade e eficiência, conseguiram boas votações, usando velhas práticas clientelistas.

Mas nem tudo foi assim tão desanimador. O que o eleitor fez com a “turma do Dário”, foi surpreendente. Não cheguei a analisar os votos por região, portanto não sei se a causa do insucesso eleitoral foi a baixa estadualização dos nomes ou uma votação ruim na Grande Florianópolis. Mas o fato é que não conseguiram se eleger figurinhas carimbadas cujo passaporte já era considerado carimbado há tempo.

Não se elegeram Gallina, a quem foi dada a Secretaria Regional da Grande Florianópolis, uma espécie de super-prefeitura do LHS para a capital, Gean Loureiro, ex-secretário municipal e presidente da Câmara, ungido por Dário Berger como pré-candidato precoce a sucedê-lo na prefeitura, João Batista, vice-prefeito que teve que tocar a cidade nas frequentes ausências (0ficiais e informais) do titular e Rose Berger, ex-secretária municipal e ex-esposa, que se separou do prefeito, mas não do sobrenome. Para todos o prefeito fez campanha e posou, nos cartazes, como uma sombra (ou uma luz, dependendo de quem via) de patroncinador poderoso e puxador de votos inconteste.

Certamente alguém terá explicação convincente para esse desastre. O fato de ter se rebelado contra LHS, seu mentor durante muito tempo no PMDB, abraçando-se a Paulo Afonso em defesa de Dilma e contra Serra, pode ter pesado. Mas para nós, aqui de fora, resta apenas a constatação óbvia: não deu. Não foi desta vez. Ah, claro, existe a possibilidade de, como suplente, algum assumir um dia a cadeirinha estofada. Mas não é a mesma coisa. É como tirar terceiro lugar numa copa do mundo: não vale muita coisa.

E a Ideli, hem? Não sei vocês, mas eu fiquei muito impressionado com o tamanho da derrota. Durante vários anos a senadora esteve no noticiário nacional. Foi a catarinense mais mencionada Brasil afora. Notabilizou-se pela sua defesa incondicional da “governabilidade” lulista. Nem mesmo Dilma Rousseff simboliza melhor a lealdade e dedicação política ao presidente que Ideli. Seria natural que o eleitor transferisse a ela um pouco da afeição e admiração que dedica a Lula. Mas isso não aconteceu. Pelo jeito pagou o preço justamente de ter prestado todo tipo de serviço político no Congresso (como a defesa de Renan Calheiros e outras tarefas ingratas).

Se Dilma for eleita, acredito que Ideli não será deixada ao desabrigo. Mas o desempenho eleitoral na sua base deve ter-lhe causado muito malestar.

E nas primeiras entrevistas, o novo governador mostra um estilo bem diferente de LHS. O Paulo Alceu, numa delas, insistiu na questão das viagens internacionais e Colombo até que se saiu relativamente bem: não pode criticar abertamente seu principal cabo eleitoral, mas deixou claro, para bom entendedor, que o tempo da xenofilia acabou.

Claro que esses primeiros discursos podem ser apenas entusiasmo de recém-eleito. Daqui a algum tempo, quando começar a montar o secretariado e a atender às pressões da “base de apoio”, é que a gente vai começar a ver a verdadeira face do novo governo.

Então tá. Vamo que vamo para o segundo turno, decidir entre o poste e o homer simpson.

Discussão

Comentários estão desativados para este post.

  1. Grande César, bom dia. A última frase me fez rir alto. Com relação a Ideli, o teceiro lugar não foi surpresa. Ela errou na medida; deveria ter continuado no Senado (talvez tirasse a vaga do Bauer). Achei a votação da Angela muito abaixo do esperado e do Colombo muito acima do esperado. Pensei que as coisas seriam mais equilibradas e rolaria um segundo turno emocionante. Não rolou. Dário é um perdedor, fim de carreira. Gean Loureiro já se considera prefeito eleito. Muita água vai rolar…

    Posted by Aline | outubro 6, 2010, 08:47
  2. Aline, a votoção do colombo et caterva, retrata a rede política criada por Luís XV, via SDR´s. No cômputo final e geral, elas (SDR´s), fizeram e fazem grande diferença. Basta ver que ele (Colombo) têm a maioria absoluta na AL.

    Posted by Joanildo | outubro 6, 2010, 10:27
  3. Caro César. Sei que o comentário diz respeito à política local, porém quero me referir à eleição do Tiririca, com mais de um milhão e meio de votos, como um paradigma do que realmente devemos esperar da política. Passo a chamar de “Tiririca” todos aqueles políticos que praticam aquela política a que te referistes em comentário anterior (“A ressaca das urnas”). Pois bem. Acho curioso que nós, que pagamos plano de saúde, nos preocupemos em eleger candidatos com competência para oferecer um sistema público de saúde decente, enquanto aqueles que ficam nas filas dos hospitais elegem “Tiriricas”, assim como acho curioso que nós, que pagamos colégios particulares para nossos filhos, nos preocupemos em eleger alguém disposto a melhorar a qualidade do ensino público, ao passo que aqueles que se servem desse sistema acabam tendo uma predileção especial por “Tiriricas”. As curiosidades que passam pela minha mente são muitas, e seria impossível enumerá-las aqui. Mas ao final ao tudo, a indagação que me faço, em tom retórico, é a seguinte: por que nos preocupamos tanto? Claro que algum sociológico ou cientista política poderia dar-me uma bela e convincente explicação a respeito do fenômeno “Tiririca”, me considerando até mesmo um ingênuo em expor esse tipo de indagação. De qualquer modo, a vontade que hoje tenho, ao ver a população reclamando na fila dos hospitais, é de mandar tudo bater palmas e começar a cantar: “Florentina, Florentina, Florentina de Jesus, não sei se tu me amas, pra que tu me seduz?

    Posted by Guilherme Bossle | outubro 6, 2010, 10:29
  4. Cesar,
    Vc é o cara! Bela analise dessa eleição. Sobre a nossa cidade gostaria dizer que o Dário anda muito triste e isso se reflete na sua administração neste segundo mandato. A nossa Florianopolis esta abandonada, assim como ele parece que abandonou vida politica. Esse final ele escolheu, não se pode enganar a população direto e achar que todos somos otários! Talvez dê certo em São José (onde seu irmão continua com a mesma prática) mas não em uma cidade onde a cobrança é maior…
    Agora o que da nojo mesmo, é a sua cara de vitima, como se fosse um pobre coitado, que está sendo mal tratado pela imprensa. Ele achava que continuando com sua práticas iria ser governador do Estado…
    Abraços,
    Sergio

    Posted by Sergio Ewald Thiesen | outubro 6, 2010, 13:17
  5. Agora é torcer que a Ficha Limpa valha pra já, e tire de rodo todos os “suspeitos” (segundo eles…) que levaram votos dos eleitores mais…..”desmemoriados”.

    Oxalá!

    Posted by Henrique Jucá | outubro 6, 2010, 13:19
  6. Eu acho a eleição do Tiririca um absurdo. Mas não vejo tanta diferença dele para os demais, exceto pelas belas gravatas e pelo gel nos cabelos. O Tiririca foi debochado, mas foi sincero. Quantos candidatos foram até a televsão, fizeram mil promessas, mas no fundo pensam e são iguais ao Tiririca? Vi candidatos a deputado estadual falando em reduzir impostos federais, em mudar leis federais. Não sabem o que faz um deputado, não sabem pra serve e qual a finalidade. Falam qualquer coisa para iludir o eleitor. Quantos engravatados conhecemos que falam manso, bonito, prometem mudanças e maravilhas, são umas moças de tão delicados (antes da eleição), e depois da eleição colocam as mãos sujas em nossos bolsos sem o menor pudor, e não fazem nada do que prometeram (quando não fazem exatamente o contrário)? A expressiva votação do Tiririca só prova, pelo menos pra mim, que as pessoas já não acreditam mais que algo possa mudar (para melhor). Pior do que tá não fica. Não era essa a frase do palhaço? Eu até acho que pode piorar, mas as carinhas e as atitudes serão sempre as mesmas, com gravatas ou com nariz de palhaço.

    Posted by Aline | outubro 6, 2010, 13:24
  7. Saiu a decisão do TCE/SC sobre o “causo” da árvore de natal de Florianópolis. Decisão n. 4557/2010. Processo n. LCC – 09/00672153 (apenso o Processo n. REP-09/00697903).

    Posted by Aline | outubro 6, 2010, 13:50
  8. Sobre a grande votação do Paulo Bauer, que chegou a ofuscar o brilho do LHS, acho que ocorreu o mesmo que em 2003, quando um monte de gente votou na Ideli para não correr o risco de eleger o Paulinho Bornhausen. Neste caso, o nome a ser defenestrado era o do Claudio Vignati, do PT, em face do triste desempenho da senadora Ideli. Como LHS já estava garantido, o negócio era votar no Bauer, para não correr o risco de ter outro petista no senado. Conheço várias pessoas que votaram assim.

    Posted by Carlos | outubro 6, 2010, 15:41
  9. Não acham a “tripa” nada mais do que uma reedição da tal “União por Santa Catarina”, só substituindo o PPB (que definha lentamente) pelo PMDB? Ou seja, só sairão do poder no dia em que brigarem entre si, como quase fizeram neste ano. Fora isso, há pouco o que fazer.

    Posted by Fernando Silva | outubro 6, 2010, 16:36
  10. Cesar, Boa tarde! Você acredita que possa haver alguma relação entre o numero irrisório de votos obtidos em Criciúma e com isso a derrota do então candidato Ivo Carminati(PMDB) a câmara estadual do estado? Fator este causado pelo fato das varias falcatruas,mentiras e uso pesado de verba publica para falsos projetos utilizadas pelo sobrinho dele o diretor de cinema e também da rede globo de televisão Roberto Carminati em nosso estado e municípios conforme publicado em vários jornais e imprensa dentro e fora do estado?

    Posted by Jordan Metzeli | outubro 7, 2010, 13:01

Posts recentes

O fim de uma era
23 de maio de 2014, 17:27
Por Cesar Valente
E aí? Abandonou o blog?
6 de maio de 2014, 17:46
Por Cesar Valente
Brasília real aos 54 anos
28 de abril de 2014, 22:12
Por Cesar Valente
Beleza e crueldade
28 de abril de 2014, 22:01
Por Cesar Valente
A semana dos enigmas
17 de abril de 2014, 8:09
Por Cesar Valente

Arquivos