// você está lendo...

Porque hoje é sábado

A política à moda de Stanislaw e Vanusa

Stanislaw Ponte Preta foi um célebre humorista e filósofo brasileiro, criado pelo não menos talentoso Sérgio Porto. Em plena vigência do golpe de 64 (ou da “redentora”, como preferem alguns), lançou o sempre imitado mas nunca igualado Festival de Besteira que Assola o País (Febeapá). Deixou uma contribuição abundante de sátiras bem humoradas e críticas sensatas à insensatez política. E compos o inesquecível Samba do Crioulo Doido, em que mistura datas, eventos, fatos e lendas para produzir um samba-enredo que tenta fazer a síntese da história pátria. Infelizmente morreu em 1968, aos 45 anos.

Vanusa, cantora que ficou famosa na Jovem Guarda, de uns tempos para cá resolveu desconstruir sua imagem. Protagonizou um deprimente espetáculo de confusão mental e descontrole, ao alterar a melodia e a letra do Hino Nacional, diante de uma vetusta platéia na Assembléia Legislativa de São Paulo. E agora, para mostrar que não desistiu do projeto, repetiu o feito, na TV Cultura do Amazonas, no Programa “Carrossel da Saudade” especial dia dos pais: trocou letra e melodia de uma música do ex-marido, que está no seu repertório há décadas. E, tal como no caso do hino nacional, mesmo tendo diante de si um caderno com as letras, perdeu-se de tal forma que constrageu a todos que, pessoalmente ou em vídeo, tiveram o desprazer de assistir à cena.

Pois bem, quanto mais observo a forma como alguns luminares da política tratam os eleitores e vão montando suas “carreiras” vitalícias e hereditárias, mais acredito que tenham buscado inspiração no Stanislaw, procurando repetir todas as besteiras catalogadas por ele nos anos 60 e utilizando, para isso, a mesma capacidade demonstrada pela Vanusa para embaralhar as letras, desafinar e criar melodias improváveis. Levam, portanto, o talento do sambista que casou a princesa Leopoldina com Tiradentes, a patamares nunca imaginados. Nunca antes, na história desse país, tanta besteira foi dita, com tanta cara de pau, por tanta gente, como se estivessem fazendo um discurso sério. Como se estivessem cantando o hino nacional em público.

O ENROSCO CATARINENSE

Os e as leitores e leitoras devem ter estranhado, como eu, que os debates entre candidatos ao governo do estado estejam tão chatos. Enfadonhos, maçantes, sonolentos.

E por que seria isso? A única explicação razoável que encontrei foi o enrosco de interesses que costura todas as siglas e candidatos (siglas e candidatos com alguma chance de sucesso eleitoral, claro). Quer ver?

A turma da Ângela (PP) não é louca de bater em ninguém por dois motivos: lidera as pesquisas e pode precisar de apoio se tiver segundo turno. E entre potenciais aliados estão o PT e até mesmo o DEM.

A turma da Ideli (PT) não é louca de bater em ninguém mesmo que esteja atrás nas pesquisas (e manda o manual de guerrilha eleitoral que se bombardeie o líder), porque precisa fazer, antes de tudo, um bom resultado para a candidata a presidente. E tem gente que diz apoiar a Dilma em praticamente todos os partidos (afinal, a máquina federal e seus milhares de cargos comissionados não dá pra desprezar). Por enquanto as chances de chegar ao segundo turno não são muito boas, mas, na eventualidade, da mesma forma, sonha com alianças com o PP e com o PMDB.

A turma do Colombo (DEM) não é louca de bater em ninguém mais ou menos pelos mesmos motivos: precisa ajudar o candidato a presidente e tem, na própria coligação, um tal balaio de gatos que qualquer palavra mal colocada ou mal interpretada, pode agravar as fraturas. E, como segundo colocado, deve sonhar com o segundo turno em que possa contar com o apoio pelo menos dos tucanos.

Além disso, o esporte nacional das campanhas eleitorais, que é bater no governo que está saindo, também não está sendo praticado aqui. Provavelmente porque LHS loteou de tal forma seu governo que fica difícil bater sem acertar algum aliado. O Maneca Dias (PDT), candidato a vice governador do PP, instalou sua mulher DalvaDias, por bastante tempo, como secretária no governo LHS (ela é irmã do Walmor de Luca, um queridinho do LHS, amiga da dona Ivone e cunhada da Ada Lili). Isso deve atrapalhar um pouco a Dona Ângela, do PP, que, em tese, poderia dar umas caneladas no LHS, até porque seu partido sempre fez oposição.

O PT também teria tudo para tentar usar as mancadas do governo LHS na campanha, mas está sendo muito parcimonioso. Tem pegado leve, pra dizer o mínimo. Mas fazer o que? O PMDB, partido que governou com LHS, está abraçadinho com o PT. E assim que Ideli melhorar nas pesquisas, certamente um monte de desinteressados apoiadores oferecerá seus préstimos. Se ela começar a pisar nos calos de uns e outros, pode perder pontos.

Viram? O eleitor/contribuinte, embora seja citado a todo momento e seja encarado cada vez que os/as candidatos/as olham para a câmera, não faz muita diferença. Claro que, à medida em que a eleição se aproxima, é preciso que mais gente responda às pesquisas de uma determinada forma. E depois, na eleição, precisam votar do jeito certo. Mas é só isso. Somos apenas um ponto percentual, um dado estatístico, um sonzinho engraçado na urna. Servimos para a manutenção das carreiras vitalícias e hereditárias dos nossos ínclitos representantes. De resto, é tudo um jogo de me apoia que eu te apoio, assinaqui que eu assinoali, eu faço que não vi aqui e tu fazes que não vistes ali. Leais entre seus pares, solidários com sua classe, abrigo seguro para práticas que, à luz do sol e ao ar livre, poderiam parecer oportunistas, aéticas ou até, em alguns casos, criminosas.

Discussão

Comentários estão desativados para este post.

  1. Cesar,

    Olhando a campanha em SC duas opções resultariam em 3/10 para um eventual 2º turno:
    1. Ângela x Ideli;
    2. Ângela x Colombo.

    Na 1 para onde iria o PMDB ?
    Se for para o PP a Ângela ganha. Se for para o PT a coisa fica difícil para se prever o resultado. POis se de um lado ficariam PP, Dem e PSDB; de outro ficariam PT e PMDB e outros pequenos de olho no federal, já ganho pela Dilma no 1º turno.

    Na 2 o PT vai para a Ângela e o resultado é mais ou menos esperado, já que o Colombo não vai agregar muito mais em votos. Afinal, ele é Dem e tm o apoio do PSDB nacional, que, diga-se de passagem, não anda lá estas coisas.

    Abs

    Posted by Cesarlaus | agosto 15, 2010, 11:38

Posts recentes

O fim de uma era
23 de maio de 2014, 17:27
Por Cesar Valente
E aí? Abandonou o blog?
6 de maio de 2014, 17:46
Por Cesar Valente
Brasília real aos 54 anos
28 de abril de 2014, 22:12
Por Cesar Valente
Beleza e crueldade
28 de abril de 2014, 22:01
Por Cesar Valente
A semana dos enigmas
17 de abril de 2014, 8:09
Por Cesar Valente

Arquivos