// você está lendo...

Amigos

Pronto pra mais um ano…

Hoje fiz aniversário. Gêmeos, com ascendente gêmeos, sempre fui um sujeito de muita sorte. Tirante um pequeno incidente cronomatográfico (a cada ano fico mais velho alguns meses), não posso me queixar da vida que me coube levar. E, em geral, não me queixo. Exceto por um ou outro resmungo passageiro.

Passei o final de semana com grandes amigos, numa espécie de comemoração que começou sexta à noite e terminou há pouco. E embora tenha sido planejado meio às pressas, acabou dando tudo muito certo. É claro que Santa Catarina, este estado tão cheio de coisas boas, ajudou bastante.

Olha só que roteiro legal que fizemos. Vou contar resumidamente, porque acho que tem muita gente que vive por aqui e ainda não conhece as possibilidades da Santa e Bela.

Chegamos sexta à noitinha a Timbó (não sabe onde fica? vá ao Google Maps, ora). Direto para o Thapyoka. Não se deixem enganar pela grafia brega do nome: o lugar é ótimo. Fica à beira do rio Benedito. Serve o espetacular chops fabricado em Timbó mesmo, o Borck. E tem muita coisa pra beliscar, comer e ficar entretido horas e horas.

Normalmente não gosto de bar com música ao vivo. Quando um trio começou a montar seus instrumentos (ali pelas oito da noite e a gente já estava na segunda torre de chops), ficamos todos meio cabreiros. Mas quando começaram a tocar, o céu se abriu e a noite ficou ainda melhor. Excelente repertório, vozes afinadíssimas, arranjos bem cuidados e, sobretudo, um volume sonoro adequado ao ambiente. Tratava-se do “Dazavessa“. Novamente, não liguem para o nome estranho. São três músicos competentes que, por coincidência, tocaram exatamente aquilo que a nossa turma queria ouvir.

Da esquerda: Cláudio, Lêny e Edson

Da esquerda: Cláudio, Lêny e Edson

Outra grande vantagem do Tapioca: fica a, se tanto, 300 metros do Timbó Park Hotel. Que tem quartos com varanda voltada para a floresta, com direito a ouvir, ao fundo, o ruído do rio passando pelas corredeiras. Ir a pé ao bar e, principalmente, poder voltar a pé, é fundamental. Uma sexta à noite e uma madrugada de sábado perfeitas, portanto.

No sábado, o pessoal foi ao supermercado Schütze, em busca de conservas, enlatados e embutidos da região que não se encontra nas redes pasteurizadas e homogeneizadas que servem a capital. Ainda bem que estávamos em dois carros, porque senão ia ser complicado trazer tudo o que encontraram lá.

O principal programa do sábado seria ir, à noite, a Pomerode, visitar a choperia Schornstein. Por isso, fizemos uma rápida parada no Tapioca (ou Thapyoka, se preferirem) para uma feijoadinha básica antes da sesta. Era preciso dar uma cochilada, porque senão os cinquentões não conseguiriam enfrentar a segunda noitada.

Pomerode é um capítulo à parte. É muito mais do que “apenas” chops. Mas conseguimos manter o foco e fomos direto. A Schornstein não é apenas um lugar que fabrica excelente cerveja e a serve com cuidado e profissionalismo: também é muito boa como restaurante. Petiscos e comidinhas feitas no capricho, ajudam a saborear melhor a cerveja. E quando digo no capricho, estou falando de onion rings (rodelas de cebola) crocantes, sequinhos, empanados com uma arte que faria jus aos melhores fish and chips do Reino Unido (que também usam a massa à base de cerveja).

Mais uma noite de grande sucesso. Bebidas de primeira qualidade e comidinhas de lamber os beiços e repetir (coisa que fizemos). Graças a duas boas almas abstêmias, percorremos os 20km que separam Pomerode de Timbó, em segurança. Uma outra opção teria sido pernoitar em Pomerode mesmo. Daria para ir a pé, por exemplo, da cervejaria até a pousada do Max, em poucos minutos. E mesmo em zigue-zague.

Hoje, para encerrar o passeio e matar as saudades, marcamos almoço no Frohsinn, lendário restaurante de Blumenau, encarapitado num morro à beira do Itajaí-Açu, com vista panorâmica da cidade. Para ir de Timbó a Blumenau, fomos por dentro, passando por Pomerode: tinha gente no grupo que não conhecia a região e na ida até lá, à noite, não conseguiu ver muita coisa. Uma parada obrigatória: Torten Paradies (o paraíso das tortas), uma confeitaria que honra seu nome.

Quase cancelamos a reserva no Frohsinn pra mergulhar no cinematográfico brunch da Torten Paradies. Mas resolvemos seguir viagem.

Sempre tivemos (meus amigos e eu) o Frohsinn em alta conta, então não sei direito como contar a má impressão. Bom, vamos torcer para que a gente tenha ido numa má hora. Estava quase vazio, mas isso também não precisa significar muita coisa. Vai ver que o forte é o jantar. Mas restaurante vazio para o almoço de domingo…

O fato é que tudo indica que aquele Frohsinn da nossa memória (nem de tão longe, almoçamos ali, quase com a mesma turma, poucos anos atrás), parece não existir mais. O cardápio teve mudanças, os preços estão ainda mais salgados. Não foi completamente ruim, mas não correspondeu às nossas altas expectativas. E nos arrependemos de não ter almoçado por Pomerode mesmo…

Todo o resto da programação estava tão legal, divertido e de alto nível, que esse percalço não conseguiu estragar a impressão geral. Nem impedir que a gente recomende, a quem a gente encontre, fazer o circuito das cervejarias. Pode ser compacto como esse nosso, concentrado numa área específica, ou mais completo. Existem pelo menos cinco boas cervejarias na região que merecem ser visitadas.

Prosit!

Eu e o Valdir, um timboense simpático e animado

Eu e o Valdir, um timboense simpático e animado

Nota do Editor: apesar das referências a marcas, produtos e lugares, este post não foi patrocinado de nenhuma forma. O autor viajou às suas próprias expensas e pagou todas as suas contas. Por isso está à vontade para elogiar (ou criticar) o que lhe der na telha.

Discussão

Comentários estão desativados para este post.

  1. Bela comemoração Cesar! Grande abraço, feliz aniversário e um excelente novo ano!

    Posted by Maria Marta | maio 23, 2010, 22:04
  2. Humm, Schornstein, Torten. O post me faz lembrar que Já faz 2 meses que não vou a Pomerode.
    Deu fome….

    Parabéns pelo aniversário tio Cesar, felicidades e vida longa.

    Posted by Wilmor Henrique | maio 23, 2010, 22:57
  3. Prosit!! vida longa!

    Posted by paulo henrique | maio 24, 2010, 05:44
  4. Parabéns César! êta comemoração boa essa… Só pra constar, o Roma (esquina da Hercílio Luz com Fernando Machado) serve Schornstein. Happy hour garantido. Abração,
    Cris Cardoso

    Posted by Cris Cardoso | maio 24, 2010, 08:29
  5. Parabéns e muitas décadas de excelentes textos teus para nós leitores!         :)
    Acho que o Frohsinn tem preços salgados há algum tempo.
    O Thapyoka fica em um lugar lindo e muito agradável, e o chopp Borck é excelente, principalmente sendo consumido direto na própria cervejaria, acompanhado de enroladinhos de tilápia com queijo (ainda existe, será?). Humm…

    Posted by Yuri | maio 24, 2010, 12:48
  6. Yuri, o problema é que o bar da cervejaria não abre nos finais de semana. Passamos por lá no sábado e no domingo e tava tudo fechado. Mas, assim como na Zehn Bier (Brusque), chops “direto na fábrica” é sempre um bom programa.

    Posted by Cesar Valente | maio 24, 2010, 13:56
  7. CESAR
    BOM PASSEIO ESSE. FIQUEI AQUI PENSSANDO EM SANTA CATARINA TEMOS ÓTIMOS LUGARES PARA VISITAR..POREM O COMODISMO NÃO DEIXA
    APOSTO QUE DEPOIS DESTE PASSEIO VOCE VEIO CHEIO DE GAZ
    MEUS PARABENS PELO NIVER
    PAULO DUTRA

    Posted by paulo dutra | maio 24, 2010, 16:05
  8. Parabéns!! Muitas felicidades!!
    Que venham muitas primaveras (ou outonos) pela frente! regados a cervejinhas…feijoadas, e tortas de sobremesa! :)

    Posted by vera sayão | maio 24, 2010, 16:35
  9. Parabens!!1 Saúde e felecidades a a todos da família e em especial os netos que aí estão e os que estão chegando.

    Todavia por bem conhecer o blog, não tenho a menor dúvida, que mesmo que os eventos tivessem sidos patrocinados como os jornalistas de turismo o são, as impressões e os relatos seriam sempre de acordo com a mais pura verdade.

    Posted by Pedro de Souza | maio 25, 2010, 11:23
  10. Parabens duplo. Pelo níver e pelo lugar prá comemorar.
    Meu Caro. Se vocês tivessem escolhido continuar em Pomerode, em lugar do Frohsinn, poderiam ter ido almoçar no Siedlertal, uma vez. Ou no Wunderwalt de onde “a pé”, se chega até a Pousada de mesmo nome. É grudada.
    O caminho é o seguinte: Saia do Restaurante Wunderwalt pela porta do lado, com o Chopp-Saideira na mão. Cuidado com os degraus… Dê dois passos a frente… um pro lado esquerdo, volte pro caminho que estava fazendo, mais dois passos lentos prá frente… um passo prá trás enquato toma outro gole… volte pra frente e… de repente, é só deitar que já está na Pousada. Simples. “Se beber só ande a pé”.
    Abraços de um Pomerodense feliz.

    Posted by Júlio Moser | maio 26, 2010, 13:33

Posts recentes

O fim de uma era
23 de maio de 2014, 17:27
Por Cesar Valente
E aí? Abandonou o blog?
6 de maio de 2014, 17:46
Por Cesar Valente
Brasília real aos 54 anos
28 de abril de 2014, 22:12
Por Cesar Valente
Beleza e crueldade
28 de abril de 2014, 22:01
Por Cesar Valente
A semana dos enigmas
17 de abril de 2014, 8:09
Por Cesar Valente

Arquivos