// você está lendo...

Pérolas do DOE

E o dinheiro jorra…

O pessoal mais preocupado com as minúcias, às vezes reclama desses meus comentários sobre as informações colhidas no Diário Oficial do Estado. Acham que quando uma entidade recebe uma graninha, é porque apresentou um projeto, que foi examinado pelo governo e em muitos casos se trata de um pessoal esforçado, que usa muito bem o dinheiro, presta contas direitinho e faz uma coisa legal que, sem a ajudinha do dinheiro público, não poderia ter sido realizada.

É verdade, tem gente séria em todo lugar. E, de fato, não vivemos num estado de bandidos (ainda que alguns escorreguem na maionese com maior desenvoltura do que seria desejável). Mas eu trago essas coisinhas pra cá, nem tanto para sugerir que há ilicitude naquele evento (coisa que, em alguns casos, é inevitável), mas principalmente para demonstrar que o dinheiro abunda.

Todos acompanhamos as dificuldades por que passam servidores públicos de várias áreas, por falta de recursos. Nem vou falar da questão salarial. Vamos falar de leitos hospitalares, de escolas em boas condições, de equipamentos e treinamento para a segurança pública (sim, sim, tá cheio de viaturas novas, mas, por exemplo, nas delegacias, ou não tem kit pra tirar impressão digital, ou não tem quem saiba fazer, ou falta um sistema para identificar as impressões colhidas). O próprio governo se queixa de que precisa apertar o cinto, reduzir despesa, gastar menos, porque tá sempre faltando recursos.

E aí, folheando o Diário Oficial, a gente encontra registros como esses:

– O Funturismo (administrado pela secretaria do Knaesel) deu R$ 200 mil para que a Associação Brasileira de Combate às Drogas realize o projeto “Marcha da Paz 2009” (DOE de 16/9/2009);

– O Funturismo também deu R$ 400 mil para que o Instituto Esportivo Tática e Ação realizasse a 4ª edição do espetáculo “A República em Laguna” (DOE de 17/9/2009).

E aqui, neste caso, permitam-me adicionar umas caraminholas. Os governos, sem grana para ficar patrocinando tudo, criaram as tais “leis de incentivo à cultura”, baseadas em renúncia fiscal, para que os organizadores de eventos fossem à luta, atrás de recursos. Este espetáculo, que está no seu quarto ano, com grande sucesso, tem, como patrocinadores, via leis de incentivo, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE, a Tractebel Energia, a Eletrosul e a Caixa Econômica Federal. Mesmo aí tem bastante dinheiro público. Precisava ainda o governo do estado derramar outros R$ 400 mil? Evidentemente, os organizadores e o pessoal de Laguna vão responder, em coro: “claro que precisava, foi bonita a festa, pá!” Mas, num ambiente de recursos escassos, o administrador nem sempre pode atender a todos os reclamos políticos. Ou será que, em SC, graças aos fundilhos, digo, fundinhos do Knaesel, tudo pode?

Discussão

Comentários estão desativados para este post.

  1. “Nem vou falar da questão salaral”.
    Hummm.
    Como são enfadonhas as questões salarais do funcionalismo (bocejo).
    As distorções e ilegalidades perpetradas pelo Estado são históricas e todos sabem disso…, portanto, é melhor deixar prá lá (outro bocejo).
    Nem a MÍDIA toca nesse vespeiro e eles tem acesso a qualquer meio de comunicação para se lamuriarem mesmo, então…

    Posted by Helio | setembro 24, 2009, 22:35
  2. Ôôô César,
    Ainda tens dúvidas de que “Por Toda Santa Catarina” tudo pode ?
    Se em São José, só agora estão denunciando os trambiques cometidos em 1999 pelos “Berger Brothers”, quando forem investigar os do Gilmar, tal qual aconteceu com o Maluf, ele estará com os crimes prescritos pela idade !
    Brasiiil, zil, zil !!!

    Posted by Carlos | setembro 25, 2009, 10:03

Posts recentes

O fim de uma era
23 de maio de 2014, 17:27
Por Cesar Valente
E aí? Abandonou o blog?
6 de maio de 2014, 17:46
Por Cesar Valente
Brasília real aos 54 anos
28 de abril de 2014, 22:12
Por Cesar Valente
Beleza e crueldade
28 de abril de 2014, 22:01
Por Cesar Valente
A semana dos enigmas
17 de abril de 2014, 8:09
Por Cesar Valente

Arquivos