// você está lendo...

Fórmula I

A força da versão oficial

Carro destruído, imagem preservada (Top News)

Carro destruído, imagem preservada (Foto: Top News)

Os marqueteiros da Ferrari foram rápidos e muito eficientes na tentativa de neutralizar os efeitos negativos para a imagem da fábrica com o acidente grave de Felipe Massa, o período de hospitalização e seu conseqüente afastamento das pistas. As fotos e imagens de televisão da quase tragédia eram muito fortes e o mundo inteiro passaria a conviver com elas durante muito tempo, junto com aquela churumela na frente do hospital. Tudo acabou bastante diluído com o anúncio sobre a volta de Michael Schumacher às pistas. Um gesto de nobreza e solidariedade, típico de um grande esportista.

Ato contínuo o alemão foi ao hospital visitar o companheiro de equipe e que já foi seu fiel escudeiro. Schumacher era um piloto competente, mas nunca foi flor que se cheirasse, principalmente em se tratando de ganhar corridas. Nada o afastava de seus objetivos. Se fosse preciso tirava adversários do caminho com manobras nada legais e até obrigava Barrichelo, em nome do chamado “jogo de equipe”, a abrir mão de vitórias para beneficiá-lo na disputa pelo título. Os fatos estão registrados nas coberturas da Rede Globo, que noticia só a perfumaria da Fórmula I, como uma porta voz da organização.

No caso presente, estava na cara que o esperto Schumacher mais uma vez faria o tal jogo de equipe (e do patrão), encenando sua volta às pistas durante o tempo que durasse a recuperação de Massa. Só que, por força de regulamento, ele não poderia testar o carro atual da Ferrari. Limitou-se a dar algumas voltinhas no carro velho, quase um calhambeque. Só pra constar, escondidinho na pista da fábrica. A cada notícia ficava mais evidente que o grande Schumacher não correria o risco de um mico em altíssima velocidade

O jogo de cena tinha sempre como pano de fundo suas dores no pescoço, conseqüência de um acidente de moto. Era a preparação para que, quando tudo estivesse sob controle, com o brasileiro em casa e o noticiário só em cima dele Schumacher, viesse a informação reveladora: o grande campeão  não poderia voltar a correr por causa do pescoço. Que é imenso, por sinal, parecido com o de uma galinha de angola.  A solução natural estava onde sempre esteve, com o piloto de testes da Ferrari, o italiano Luca Badoer. Ele é quem vai substituir Felipe Massa no resto de temporada, presume-se. Simplesinho e eficiente, não? Sim, e bastante mentiroso também. É o jornalismo sem um pingo de curiosidade e que se dá por satisfeito apenas com a versão oficial.

Discussão

Comentários estão desativados para este post.

  1. I r r e t o c a v e l. Curiosidade deveria estar na primeira aula de qualquer faculade de Jornalismo. Quem se contenta com versão deve mudar de lado no balcão.

    Posted by matracatrica | agosto 11, 2009, 16:56
  2. Mas esse “jornalismo sem um pingo de curiosidade e que se dá por satisfeito apenas com a versão oficial” não o que vigora em Florianópolis e “Por Toda Santa Catarina” com o monopólio gaúcho ?
    Por que será que eles denunciam no Rio Grande do Sul e por aqui fica tudo tão tranquilo ?

    Posted by Carlos A | agosto 12, 2009, 00:14
  3. Denunciam no Rio Grande do Sul, mas só quando a coisa se torna irreversível. Antes disso, dá-lhe peneira para tentar tapar o sol…

    Posted by Carlos Henrique | agosto 12, 2009, 13:42

Posts recentes

O fim de uma era
23 de maio de 2014, 17:27
Por Cesar Valente
E aí? Abandonou o blog?
6 de maio de 2014, 17:46
Por Cesar Valente
Brasília real aos 54 anos
28 de abril de 2014, 22:12
Por Cesar Valente
Beleza e crueldade
28 de abril de 2014, 22:01
Por Cesar Valente
A semana dos enigmas
17 de abril de 2014, 8:09
Por Cesar Valente

Arquivos