// você está lendo...

Deputados

Tá certo. Mas cadê o texto?

O deputado Edison Andrino (PMDB) se queixou, na tribuna da Assembléia, que alguns críticos do Código Ambiental catarinense (inclusive o Ministro e alguns procuradores) estão citando dispositivos que não constam do texto aprovado. Mandou-os ler antes de sair falando.

Também acho que não tem sentido demonizar o código com base em lendas ambientais, como também não leva a lugar nenhum demonizar o governo federal com base em lendas libertárias. Claro que a demora do governo em publicar o texto sancionado na segunda-feira não ajuda a ninguém. Mas é provável que quinta-feira possamos saber, afinal, se o que foi aprovado é o que será publicado. E teremos o que ler, podendo, afinal, seguir o sensato conselho do deputado.

Mas, embora o discurso do Andrino tenha sido razoável (com um ou outro exagero, como o ramerrão de bater no Minc como “ministro da ditadura”), um rápido aparte do Joares Ponticelli (PP) foi um desastre. Pretendeu, o deputado, afirmar que as galerias da Assembléia não são de livre acesso público, ao dizer que a procuradora da República Analúcia Hartmann, que esteve presente à sessão de aprovação do Código, estava ali “infiltrada”. E chegou ao cúmulo de afirmar que, para que ela pudesse ir à Assembléia, precisaria disputar um mandato eletivo. Ora, ora, que bobagem. Se são sessões públicas, qualquer um pode assistir. E nenhum deputado deveria sentir-se constrangido pela presença do público, tenha a profissão ou função que tiver. Caso contrário, será melhor fechar as galerias e parar com essa história de dizer que se trata de “Casa do Povo”.

Discussão

Comentários estão desativados para este post.

  1. César, a indignação do sr. Edson Andrino se deve a marcação cerrada (como deve ser) do MP sobre o seu “empreendimento” e de seu sócio, o arquiteto André Schmidt, na Ponta do Gravatá. Usando a tribuna em causa própria. O expediente usado nos bastidores para obter a viabilidade é algo…
    E o pior é o discurso de defesa do pequeno agricultor.
    É uma pena que pessoas que militaram pela democracia hoje só lutem pelos próprios interesses.

    Posted by Marcos | abril 15, 2009, 22:40
  2. O deputado Ponticelli deve ter se expressado mal, pois acompanho o trabalho dele e já li ele afirmando que a procuradora deveria disputar um mandato eletivo caso quisesse interferir nas votações do Legislativo e não pra participar das sessões nas galerias. Eu concordo com o deputado, ela deve fazer o trabalho dela no judiciário, sem interferir no trabalho do legislativo. Se o poder legislativo falhar, aí sim que ela entre em ação, mas aplicando as leis e não fazendo o trabalho dos deputados.

    Posted by Augusto Brites | abril 15, 2009, 22:41
  3. Sim, Augusto: expressou-se muito mal. E essa história de que ela pretendia fazer o trabalho dos deputados também é uma expressão equivocada.

    Posted by Cesar Valente | abril 15, 2009, 22:44

Posts recentes

O fim de uma era
23 de maio de 2014, 17:27
Por Cesar Valente
E aí? Abandonou o blog?
6 de maio de 2014, 17:46
Por Cesar Valente
Brasília real aos 54 anos
28 de abril de 2014, 22:12
Por Cesar Valente
Beleza e crueldade
28 de abril de 2014, 22:01
Por Cesar Valente
A semana dos enigmas
17 de abril de 2014, 8:09
Por Cesar Valente

Arquivos