// você está lendo...

Cursinhos do Tio Cesar

O mecanismo dos Fundos

Tive esta semana uma esclarecedora conversa com o diretor de Políticas de Turismo, Cultura e Esporte da Secretaria dessas mesmas áreas (a do Knaesel), Eduardo Macedo.

Procurei-o porque andava muito curioso sobre a quantidade de eventos que pipocam, aqui e ali, sempre com graninhas de algum dos Fundos (Funturismo, Funcultural e Fundesporte).

Bom, é natural que a gente esbarre a cada esquina com algum evento que usa grana pública: atualmente há cerca de sete mil projetos na rua, aprovados nos três fundos da secretaria.

Quem aprova

Os fundos são administrados em parte pelos Conselhos que existem em cada uma das três áreas. Quase todos os projetos (“uns 95%”, segundo Macedo) foram examinados e aprovados pelos conselhos, que são órgãos compostos não só por servidores públicos, mas também por representantes de empresas e entidades afins.

O Conselho Estadual de Turismo é presidido pelo Fernando Marcondes de Mattos (Costão do Santinho) e tem 21 membros, dos quais uns sete ou oito estão ali por escolha do governador (os demais representam entidades que têm assento no conselho). Eles dão a aprovação final para os projetos que deverão receber a grana do Funturismo.

O Conselho Estadual do Desporto é presidido pelo Pedro Lopes, tem 21 membros, dos quais 6 da cota do governador. Aprovam os projetos do Fundesporte.

O Conselho Estadual de Cultura é presidido pelo Péricles Prade, tem 20 membros e 9 indicados pelo LHS. Aprovam, naturalmente, os candidatos ao Funcultural.

Claro que há uma equipe técnica da secretaria, que faz a triagem dos processos e checagem da documentação dos candidatos, para que os conselheiros não precisem perder muito tempo.

Como funciona

O dinheiro que os fundos distribuem é fruto de renúncia fiscal (e nisso se parecem muito com mecanismos federais como os da Lei Rouanet): as empresas deixam de pagar uma parte do ICMS devido ao governo e destinam esse dinheiro para algum projeto.

Até o final de 2008, os titulares dos projetos aprovados tinham que ir bater à porta das empresas para conseguir, delas, a doação da grana (na verdade, autorização para que o governo repassasse parte do imposto).

Agora em 2009 a coisa mudou: os titulares de projetos aprovados não terão mais que ir atrás da autorização nas empresas. O governo pagará diretamente os projetos aprovados, conforme suas disponibilidades (o Grupo Gestor é que tem a chave do cofre).

Esta nova modalidade tem seus prós e contras, segundo Macedo. A favor está a possibilidade de reverter um quadro distorcido dos incentivos: “as empresas preferem patrocinar festas, eventos e o resultado é que 90% dos projetos que conseguiram captar dinheiro referem-se a esse tipo de atividade”, diz ele.

Isto causa problemas sérios: em Florianópolis, por exemplo, muito mais útil do que dar dinheiro para festas, seria patrocinar projetos de capacitação profissional em turismo, que ajudassem a melhorar o nível dos serviços prestados na cidade. Mas não há projetos, porque não havia dinheiro para isso.

Como é feito o controle?

O governo admite que não tem como fiscalizar, diretamente e durante a execução, todos os milhares de projetos que estão sendo realizados em todo o estado.

Mas, ao final, é preciso prestar contas do uso do dinheiro e se esse uso foi feito de acordo com o que estava previsto no projeto aprovado. Quando há algum indício de irregularidade, é feita uma tomada de contas especial. Muitos projetos estão com suas contas sendo questionadas. Algumas centenas.

A força de um bom QI

O QI, vocês sabem, nada tem a ver com “quociente de inteligência”. Trata-se mesmo do nosso velho conhecido “quem indica”.
Por mais que o Macedo e outros dirigentes da secretaria afirmem que tudo se dá dentro da maior transparência e que os critérios são técnicos, com a decisão soberana de um Conselho plural, quem não nasceu ontem vê que não é muito difícil que alguém, com um bom QI, tenha seu projeto aprovado com maior facilidade que outros.

Isso não é uma coisa ruim em si (afinal, o governo deve ter liberdade de usar nosso dinheiro, dentro de certos limites, pra fazer o que acha que deve), mas torna mais complicada a vida daqueles que deveriam planejar a ação do Estado nas áreas da Cultura, Turismo e Esporte.

Imaginem se o cara, cuidadosamente, planejou algumas prioridades para este ano e no meio do caminho o governador inventa que o legal é organizar um mega-evento internacional de jogo de botão? Pronto, lá se vão alguns milhões de reais para uma atividade que não estava nos planos, mas que fará a alegria de quem teve a idéia e de quem realizará, mediante projetos específicos, esse sonho (ou pesadelo).

Então é isso. Precisa atrair turistas dos Estados Unidos e Portugal, usa o Funturismo para pagar uma empresa de Blumenau que fará isso. Precisa dotar Jurerê Internacional de alguma atração para o verão (afinal, ali quase nada acontece nesta época) usa o Fundesporte para montar uma arena poliesportiva com atrações culturais paralelas. Uma festa no CTG precisa de patrocínio? Usa o Funcultural para ajudar a preservar as tradições. E por aí vai.

Não é o máximo?

Discussão

Comentários estão desativados para este post.

  1. É o fim!

    Como dizem na Itália:

    É fácil ser gay com ‘cooler’ dos outros.

    Posted by Cesar Laus | janeiro 31, 2009, 13:15
  2. Tem JETON? Quanto é e quantas vezes se reúnem?

    Posted by LesPaul | janeiro 31, 2009, 15:23
  3. Ôôô LesPaul !
    Desconfias de tudo, hein ?

    Posted by Carlos | janeiro 31, 2009, 16:51
  4. Conheço um projeto, daqui de Bçumenau, premiado internacionalmente e que foi apresentado na secretaria do Knaesel. Segundo eles foi aprovado. O dono do Projeto já tinha a empresa para a renúncia fiscal. Tudo pronto. Projeto chama-se – Troque Lixo Por Livro – do Instituto Evoluir. Imagine que faltou Q.I. e principalmente vontade de fazer, por que ? Porque é honesto e não reverte comissão.

    Posted by Velho Amigo | janeiro 31, 2009, 17:15
  5. Tá faltando galinha.
    Mas as raposas jamais morrerão de fome.
    Strix.

    Posted by Strix | janeiro 31, 2009, 23:43
  6. estamos tratando com ratos de espécie hiper conhecida
    É um poço sem fundo.

    Posted by amilton alexandre | fevereiro 1, 2009, 02:24
  7. Se faz necessário uma investigação do Ministério Público em relação a distribuição dos recursos dos fundos estaduais para as entidades (Associações;Ong’s). Em Balneário Camboriú, tem um vereador espertinho, quer dizer, espertão, afilhado político do vice governador PAVAN, que usa uma Associação, chamada AMELC, para receber recursos dos fundos. Falo mais, já recebeu alguns repasses e quase recebeu mais 2.000.000,00 (dois milhões) de reais dos fundos, não fosse a denúncia de outro vereador que investigou a tal associação e descobriu que ela esta registrada no apartamento do assessor de gabinete do vereador Dão Koedermann, e que tem como tesoureira, pasmem, a esposa do “honesto” vereador. Neste caso, o Dão tinha a intenção de realizar o projeto ARENA DE VERÃO em Balneário Camboriú. Creio que também merece uma investigação.

    Posted by Marcelo | fevereiro 14, 2009, 20:38

Posts recentes

O fim de uma era
23 de maio de 2014, 17:27
Por Cesar Valente
E aí? Abandonou o blog?
6 de maio de 2014, 17:46
Por Cesar Valente
Brasília real aos 54 anos
28 de abril de 2014, 22:12
Por Cesar Valente
Beleza e crueldade
28 de abril de 2014, 22:01
Por Cesar Valente
A semana dos enigmas
17 de abril de 2014, 8:09
Por Cesar Valente

Arquivos